Robert De Niro é acusado de discriminação e assédio sexual por ex-funcionária

O ator Robert de Niro está sendo acusado de discriminação sexual e de criar um ambiente de trabalho abusivo por uma ex-funcionária que o processa em US$ 12 milhões. Em seu processo, Graham Chase Robinson, ex-vice presidente da produtora do astro, Canal Productions, acusa De Niro de usar linguagem sexista, chegando a chamar pessoas que trabalhavam para ele de “vacas” e “putas”, além de tratá-la como uma “esposa do escritório”.

No processo, Robinson diz ainda que recebia salários inferiores ao de colegas e tarefas ligadas a tarefas domésticas por ser mulher.

“Robert de Niro é alguém agarrado a uma noção de moral do passado. Ele não aceita a ideia de que homens devem tratar as mulheres como iguais. Ele não se importa que discriminação de gênero seja uma violação da lei. Robinson é uma vítima dessa atitude” diz o processo, a que a imprensa americana teve acesso.

Além de discriminação, Robinson acusa o ator de contato físico indesejado. “Entre outras coisas, De Niro orientaria Robinson a coçar-lhe as costas, abotoar suas camisas, arrumar seus colarinhos, amarrar as gravatas e acordá-lo quando estava na cama”, diz o documento. “De Niro também não se manifestou quando um amigo deu um tapa nas nádegas de Robinson.”

Robinson também afirma que o astro vencedor do Oscar fez comentários sexualmente desnecessários. “De Niro fez comentários vulgares, inapropriados e sexuais para Robinson”, diz a queixa. “Ele brincava com Robinson sobre sua prescrição de Viagra… e instruiu Robinson a imaginá-lo no banheiro”.

O advogado de Robert De Niro se pronunciou sobre as acusações chamando-as de “completamente absurdas”.

A ação judicial é, na verdade, resposta a outro processo, movido por De Niro contra a ex-funcionária e estimado em US$ 6 milhões. Ela é acusada de desviar dinheiro da companhia e maratonar séries no horário de trabalho. A denúncia original chegou a viralizar nas redes sociais como piada, porque afirma que Robinson maratonou 55 episódios de “Friends” em quatro dias.

Robinson diz em sua ação que pediu demissão em abril e avisou que processaria o astro do cinema. “Antes de ser processado, De Niro retaliou”, acusa a defesa.

Ela afirma que as acusações de De Niro a colocam falsamente como uma ladra, preguiçosa e indecente, e que elas prejudicaram sua carreira.

A polêmica vem à tona no dia da estreia de “Coringa”, filme estrelado por Joaquin Phoenix, que traz De Niro como coadjuvante. O ator também estrela “O Irlandês” como protagonista, filme de Martin Scorsese que é a grande aposta da Netflix para o Oscar 2020, com lançamento nos cinemas e em streaming marcado para o mês que vem.