Joaquin Phoenix admite vontade de fazer mais filmes como Coringa



O ator Joaquin Phoenix está entusiasmado com a repercussão do filme “Coringa”, que no fim de semana passado se tornou a estreia de maior bilheteria de sua carreira. Em entrevista ao programa do YouTube do crítico de cinema da Rolling Stone, “Popcorn with Peter Travers”, Phoenix disse que chegou a conversar com o diretor sobre o que mais poderia ser feito com o personagem. “Sabe, eu não pensaria em Coringa como o papel dos meus sonhos. Mas agora, honestamente, não consigo parar de pensar nele”, disse.

Phoenix admite que tem interesse em repetir o papel, de preferência numa continuação do mesmo diretor, Todd Phillips.

“Conversei muito com Todd sobre o que mais poderíamos fazer, em geral, apenas para trabalharmos juntos, mas também, especificamente, se há algo mais que possamos fazer com o Coringa que possa ser interessante. Então, acabou sendo um papel de sonho”.

Mas apesar desse interesse, o ator destacou que não sabe se há planos para uma continuação. “Não sei se há [mais o que fazer]”, disse Phoenix. Mas acrescentou: “Eu e Todd ainda estaríamos filmando agora se pudéssemos, certo? Porque parecia interminável, as possibilidades de onde podemos ir com o personagem”.


No mês passado, Todd Philips descartou planos para comandar uma sequência. “A ideia continua a ser: ‘Eu farei qualquer coisa que o Joaquin (Phoenix) quiser’. E eu farei. Mas o filme não foi montado para ter uma sequência”.

O sucesso do filme, que se provou um fenômeno comercial, aliado à credibilidade entre a crítica, com uma vitória no Festival de Veneza e grande favoritismo a prêmios no Oscar 2020, podem fazer a Warner considerar uma nova produção. Ou, ao menos, incorporar o Coringa de Phoenix nos próximos filmes de Batman.

Veja abaixo a íntegra da entrevista de Phoenix a Peter Travers, que tem 25 minutos de duração – e mostra que o ator é um piadista, quem diria. A parte sobre a possibilidade de continuação está no fim da conversa.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings