blank

Estreia de Arrow dá início à trama de Crise nas Infinitas Terras

“Arrow” estreou sua 8ª e última temporada de forma apocalíptica na noite de terça (15/10) nos Estados Unidos, com o primeiro gostinho da “Crise nas Infinitas Terras”. Spoilers.

Intitulado “Starling City”, o episódio acompanhou a visita de Oliver Queen (Stephen Amell), o Arqueiro Verde, à Terra 2.

Ao contrário da história de origem do Arqueiro Verde, o Oliver da Terra 2 morreu no mar. Aproveitando-se desse fato, o herói da Terra 1 consegue se passar pelo filho desaparecido de Moira Queen (Susanna Thompson), que teria retornado após passar mais de uma década supostamente perdido numa ilha. Essa premissa foi um presente para os fãs, por permitir evocar paralelos criativos com o piloto e a 1ª temporada da série, além de resgatar vários personagens mortos na cronologia oficial de “Arrow”, ainda vivos em Terra 2. Mas não por muito tempo.

O final do episódio serviu para mostrar a extensão da Crise que Oliver precisará enfrentar, conforme antecipado pelo Monitor (LaMonica Garrett). Mesmo economizando nos efeitos visuais – concentrados num cenário fechado, uma delegacia de polícia – , o desfecho apresentou a versão televisiva da DC para o “estalo” de Thanos, com a destruição de vários personagens diante do olhar aturdido do herói. Além da diferença orçamentária, na série ninguém foi poupado. O capítulo se encerra com a destruição total da Terra 2, da qual apenas Laurel Lance (Katie Cassidy), a Sereia Negra, conseguiu escapar, graças a um portal aberto por Oliver (e Diggle) para a segurança da Terra 1.

Falando à imprensa após a exibição, os showrunners de “Arrow” revelaram ter pedido permissão aos produtores de “The Flash” para destruir a Terra paralela, originalmente introduzida na 2ª temporada da série do herói velocista, num arco que deu início à saga dos multiversos na TV. Isto porque, além das mortes vistas no episódio de “Arrow”, a catástrofe planetária pode ter representado o fim de personagens queridos, como o Harry Wells (Tom Cavanagh) da Terra 2 e sua filha velocista, Jesse Quick (Violett Beane). O destino deles deverá ser abordado na próxima semana, no terceiro episódio da 6ª temporada de “The Flash”.

Ao contrário dos crossovers anteriores do Arrowverso, a trama de “Crise nas Infinitas Terras” já está a pleno vapor, várias semanas antes do evento oficial do encontro das séries.

“Quando começamos a temporada, como não temos tantos episódios [serão só 10], sabíamos que queríamos começar com algo grande e apresentar a próxima Crise imediatamente. A Crise está começando mais cedo do que pensávamos”, disse Beth Schwartz para o site TVLine.

Considerada um marco dos quadrinhos, a história da “Crise” original, publicada em 1985, ficou famosa por matar muitos super-heróis clássicos, como o Flash (a versão de Barry Allen) e a Supergirl (Linda Lee Danvers), o que foi um choque para os leitores da época. O objetivo foi realizar o primeiro reboot dos quadrinhos em todos os tempos, por meio da destruição de todas Terras paralelas, menos uma. Esse evento foi tão traumático que apagou a existência do multiverso, inclusive a memória dele, e reacomodou sobreviventes de outras Terras na linha temporal da Terra 1, por meio de um recomeço completo de todas as histórias e lembranças dos personagens da DC.

Assim como na publicação impressa, a expectativa é que a resolução da “Crise” acomode os personagens de outras Terras, como Supergirl, num único Arrowverso. Mas seu impacto não deve se resumir a isso, já que o crossover conduzirá ao final da série “Arrow”, que inaugurou esse universo de adaptações de quadrinhos.

Disparado o maior crossover já tentado na história da televisão, “Crise nas Infinitas Terras” será exibido entre dezembro e janeiro ao longo de cinco episódios individuais das séries “Arrow”, “The Flash”, “Supergirl”, “Legends of Tomorrow” e a estreante “Batwoman”. Embora sua série tenha ficado de fora desta lista, até o herói Raio Negro (Black Lightning) vai participar da produção.

Ainda não há previsão oficial para a estreia de “Crise nas Infinitas Terras” no Brasil.