Artistas se manifestam em campanha que dá voz às crianças alvejadas pelas balas “perdidas” do Rio

Um grupo de atores se engajou numa campanha do movimento 342 Artes, que pretende lançar uma série de videos com estrelas da TV e do cinema brasileiros lendo cartas escritas por crianças e moradores do Complexo da Maré, na zona norte do Rio de Janeiro.

A ideia surgiu depois que 1,5 mil cartas dessas crianças foram entregues à Justiça estadual do Rio. E o resultado foi apenas uma declaração do presidente do TJ-RJ, Claudio de Mello Tavares, que pôs em dúvida a veracidade e credibilidade das cartas. Tavares é o mesmo desembargador que deferiu uma liminar (logo cassada pelo STF) proibindo a venda de uma história em quadrinhos com beijo gay na Bienal do Livro do Rio.

Diante do pouco caso da Justiça carioca, a campanha vai apresentar as histórias das crianças que estão sendo vitimadas pelo clima de guerra civil no Rio de Janeiro, cidade em que a atuação da polícia registra o maior número de mortes em todo o país.

O primeiro vídeo foi disponibilizado no canal do YouTube do 342 Artes na segunda-feira (23/9), dois dias depois do assassinato da menina Ágatha Felix, de oito anos de idade, no Complexo do Alemão, por bala “perdida” numa operação policial. Veja abaixo.

São, no total 15 vídeos, com artistas como Deborah Bloch, Claudia Abreu, Mariana Ximenes, Otavio Muller, Herson Capri e Fabio Assunção, entre outros, e com pessoas com ligação com a Maré, como Monica Benício, viúva de Marielle Franco.

O objetivo é chamar atenção para a violência oficializada pelo Estado e conclamar o Judiciário a reexaminar o arquivamento de um processo que denuncia as forças policiais no Rio.