Joaquin Phoenix confessa que tinha medo de viver o Coringa no cinema

O ator Joaquin Phoenix confessou ter tido medo de aceitar o papel de Coringa, que ele interpreta no primeiro filme solo do vilão. Em entrevista para a revista Total Film, ele lembrou que inicialmente recusou o convite do diretor Todd Phillips (“Se Beber, Não Case”) com receio de estrelar sua primeira adaptação de quadrinhos.

“Levou um tempo para eu me comprometer. Agora, eu olho para trás e não sei o motivo. Mas tinha muito medo, sim”, contou o ator, que no passado se recusou a viver os heróis Hulk e Doutor Estranho em produções da Marvel.

O medo, no caso, não foi tanto de entrar no mundo dos quadrinhos de super-heróis, mas de encarar um personagem vivido por seu ídolo Jack Nicholson e que rendeu um Oscar a seu colega Heath Ledger.

“Mas eu sempre digo que há o medo que motiva e há o medo que debilita”, ele continuou. “Tem o medo que paralisa e te impede de dar um passo e tem o medo que te leva a questionar, ‘Ok, o que fazemos? Não é bom o suficiente’. E isso te impulsiona a ir cada vez mais fundo. Eu amo esse tipo de medo. Ele nos guia, nos faz trabalhar mais”, completou o ator.

Para aumentar ainda mais o desafio – e o medo – , o filme apresenta uma história nunca vista nos quadrinhos, revelando Arthur Fleck sob um ângulo diferente. A começar pelo fato de a DC Comics nunca ter dado nome para a “identidade civil” do Coringa – que virou Jeremiah Valeska na série “Gotham”. O que já dá mostras do risco assumido por Phoenix.

A produção também traz no elenco outro astro que não tinha sido visto ainda num longa de quadrinhos, o lendário Robert De Niro (de “Taxi Driver” e “O Rei da Comédia”), além de Zazie Beetz (“Deadpool 2”), Marc Maron (“GLOW”), Frances Conroy (“American Horror Story”) e Brett Cullen (“Narcos”).

Passado entre os anos 1970 e 1980, “Coringa” será o primeiro filme da safra atual de adaptações da Warner sem qualquer ligação com o atual universo cinematográfico da DC Comics. Caso seja bem-sucedido, outros lançamentos “independentes” devem ser produzidos.

O filme terá premiére mundial no Festival de Veneza, no final de agosto, e tem estreia comercial marcada para 3 de outubro no Brasil, um dia antes do lançamento nos Estados Unidos.