Indígena brasileiro é premiado como Melhor Ator no Festival de Locarno, na Suiça

O intérprete brasileiro Regis Myrupu, de descendência indígena, foi premiado como Melhor Ator no 72º Festival de Locarno, na Suíça, por seu papel no filme “A Febre”. Tanto o ator quanto a diretora brasileira Maya Da-Rin são estreantes em longas de ficção.

Coprodução entre Brasil, França e Alemanha, o filme foi considerado pelo site Cineuropa “uma extraordinária oportunidade de observar a riqueza e complexidade de uma cultura”, enquanto o periódico italiano Cinque Quotidiano o aclamou como “extraordinário”. A repercussão decorre de Locarno ser um dos principais festivais de cinema da Europa.

“Estou muito emocionado com esse prêmio. Nós, povos indígenas, estamos vivendo um momento muito difícil. Não só nós, mas também a nossa casa, a floresta, está sendo destruída”, disse o ator, em comunicado para a imprensa sobre a premiação. “Então, um indígena recebendo um prêmio como esse, mostra a nossa força e capacidade de atuarmos na sociedade não indígena, seja participando de um filme, seja como médicos ou advogados, sem que isso signifique a perda das nossas origens ou o esquecimento da nossa cultura.”

“A Febre” narra a história de Justino, um indígena do povo Desana que trabalha como vigilante em um porto de cargas e vive na periferia de Manaus. Desde a morte da sua esposa, sua principal companhia é a filha Vanessa, que está de partida para estudar Medicina em Brasília. Com o passar dos dias, Justino é tomado por uma febre forte. Durante a noite, uma criatura misteriosa segue seus passos. Durante o dia, ele luta para se manter acordado no trabalho.

O longa participará a seguir do Festival de Toronto, na mostra Wavelengths (dedicada a filmes de linguagem mais arrojada), que acontece entre os dias 5 e 15 de setembro no Canadá.

Ainda sem data de estreia marcada, o filme será distribuído no Brasil pela Vitrine Filmes.