Eddie Murphy estrela trailer da biografia do astro de Dolemite, clássico da era blaxploitation



A Netflix divulgou o pôster, dez fotos e o primeiro trailer legendado de “Meu Nome É Dolemite” (Dolemite Is My Name). A prévia mostra Eddie Murphy no papel do comediante Rudy Ray Moore, criador do personagem Dolemite, ícone do cinema blaxploitation.

Moore trabalhava em uma loja de discos de Los Angeles nos anos 1970 quando começou a ouvir histórias obscenas de um cafetão e traficante chamado Dolemite. Ele decidiu transformar essas anedotas numa apresentação de stand-up, cujo sucesso o inspirou a gravar discos em que assumia o papel do personagem, contando histórias fantasiosas do anti-herói do gueto, repletas de palavrões, que viraram influência para diversos astros do rap. Os discos renderam o suficiente para Moore financiar seu próprio filme, lançando “Dolemite” em 1975. Extremamente amador e repleto de defeitos de encenação, virou um fenômeno do humor. Cultuadíssimo, o longa original ganhou mais três sequências e até hoje é referenciado.

O longa foi escrito por Scott Alexander e Larry Karaszewski, dupla especializada em filmes biográficos, como “Grandes Olhos” e “Ed Wood”, dirigidos por Tim Burton, e “O Povo Contra Larry Flint” e “O Mundo de Andy”, ambos do falecido Milos Forman.

A direção é de Craig Brewer (de “Ritmo de um Sonho” e do remake de “Footloose”) e o elenco inclui Wesley Snipes (“Blade”), Keegan-Michael Key (“O Predador”), Mike Epps (“Viagem das Garotas”), Craig Robinson (“Ghosted”), Tituss Burgess (“The Unbreakable Kimmy Schmidt”), Da’Vine Joy Randolph (“Empire”), Kodi Smit-McPhee (“X-Men: Fênix Negra”), Snoop Dogg (“Todo Mundo em Pânico 5”), Ron Cephas Jones (“This Is Us”), Chris Rock (“Lá Vêm os Pais”) e Tip “TI” Harris (“Homem-Formiga e a Vespa”).



Vale lembrar que Murphy não filmava há três anos. Seu último filme tinha sido a comédia “Mr. Church”, de 2016, que nem teve lançamento no Brasil.

“Meu Nome É Dolemite” ainda não tem previsão de estreia.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings