Velozes e Furiosos: Hobbs & Shaw é a maior estreia de cinema da semana

“Velozes e Furiosos: Hobbs & Shaw” é o maior lançamento de cinema desta quinta (1/8). Com distribuição em mais de 1,5 mil salas, tem alcance exagerado como sua premissa. Mistura de 007, “Missão Impossível”, “48 Horas” e super-heróis, o primeiro derivado da franquia “Velozes e Furiosos” tem tom mais absurdo que a saga central, em que motoristas de rachas viram agentes secretos para salvar o mundo. A troca infinita de farpas entre Dwayne Johnson (Hobbs) e Jason Statham (Shaw), enquanto enfrentam um supervilão e sua organização maligna, diverte mais que a sucessão de cenas de ação sem limites, e justificam os 69% de aprovação no Rotten Tomatoes.

As demais estreias da semana ocupam o circuito limitado, dividindo-se entre três títulos brasileiros e três franceses. O destaque é “A Última Loucura de Claire Darling”, em que a lenda viva Catherine Deneuve contracena com sua filha real, Chiara Mastroianni, numa história de mãe e filha distantes que se reconectam quando a matriarca resolve vender tudo o que tem, anunciando que é seu último dia de vida. Tem 100% de aprovação no Rotten Tomatoes.

Confira abaixo a lista completa das estreias da semana com suas sinopses e trailers.

Velozes e Furiosos: Hobbs & Shaw | EUA | Ação

Desde que se conheceram, em “Velozes e Furiosos 7”, Luke Hobbs (Dwayne Johnson) e Deckard Shaw (Jason Statham) constantemente bateram de frente, não só por inicialmente estarem em lados opostos mas, especialmente, pela personalidade de cada um. Agora, a dupla precisa unir forças para enfrentar Brixton (Idris Elba), um anarquista alterado geneticamente que se tornou uma ameaça biológica global. Para tanto, eles contam com a ajuda de Hattie (Vanessa Kirby), irmã de Shaw, que é também agente do MI6, o serviço secreto britânico.

A Última Loucura de Claire Darling | França | Comédia

É o primeiro dia de verão e o último de Claire Darling (Catherine Deneuve), ou é isso que ela pensa. Claire espalha todos os seus pertences no gramado, desde o pêndulo remanescente da história da França até a infinidade de lâmpadas Tiffany. Enquanto uma horda de curiosos e vizinhos retira essas antiguidades por alguns centavos, cada objeto ecoa a vida trágica e extravagante de Claire Darling.

Meu Bebê | França | Comédia

Quando Jade (Thaïs Alessandrin), a filha mais nova de Héloïse (Sandrine Kiberlain), está prestes a completar 18 anos e anuncia que vai para o Canadá completar seus estudos, a decisão causa um inesperado impacto na mãe. A relação entra em um clima de saudosismo antecipado, e as duas passam a refletir sobre o passado e o futuro.

Os Dois Filhos de Joseph | França | Comédia

Para Ivan (Mathieu Capella), um menino de 13 anos, seu pai Joseph (Benoît Poelvoorde) e seu irmão mais velho Joachim (Vincent Lacoste) são o principal modelo de vida. Porém, em determinado momento os dois falham e o jovem percebe como pode ser ruim conhecê-los, afinal, eles são tigres.

No Coração do Mundo | Brasil | Drama

Contagem, Minas Gerais. Dentro da comunidade local, Marcos (Leo Pyrata) se vira diariamente com os pequenos crimes que comete. Quando reencontra Selma (Grace Passô), uma antiga amiga, ele se convence da possibilidade de executar um assalto bem-sucedido. Mas o plano só pode ser colocado em prática com a ajuda de uma terceira pessoa, e Ana (Kelly Crifer), namorada de Marcos, hesita em participar.

Abaixo a Gravidade | Brasil | Drama

Ao descobrir que sofre de uma grave doença, Bené (Everaldo Pontes) entra num sério dilema, pensando se deve se tratar ou espera o desenvolvimento natural da patologia. Sua amizade com a jovem e descolada Letícia leva o homem, que vive há anos isolado em uma comunidade rural no interior da Bahia, de volta para a cidade grande e todo o seu caos.

Bloqueio | Brasil | Documentário

Brasil, maio de 2018. As eleições presidenciais se aproximam enquanto a crise econômica e política se intensifica. Em meio ao caos, a classe dos caminhoneiros, responsável pelo abastecimento das grandes cidades, inicia um bloqueio nas estradas, agravando as tensões. No entanto, em meio às reivindicações por melhores condições de trabalho, surge também um discurso pró intervenção militar que destoa.