Marvel anuncia elenco, data de estreia e título oficial do filme do Mestre do Kung Fu



O presidente da Marvel Studios, Kevin Feige, revelou o elenco, a data de estreia e o título oficial da adaptação dos quadrinhos do “Mestre do Kung Fu” neste sábado (20/7), durante a apresentação do estúdio na Comic-Con International, em San Diego.

O filme não incluirá a expressão “Mestre do Kung Fu”, como na publicação original do personagem nos anos 1970. Em vez disso, vai se chamar, em inglês, “Shang-Chi and the Legend of the Ten Rings” e chega aos cinemas americanos em 12 de fevereiro de 2021.

A Marvel realizou vários testes de elenco para encontrar o intérprete de Chang-Chi, concentrando-se em três finalistas, que disputaram o papel até a última segunda-feira (15/7).

O ator canadense Simu Liu foi o escolhido.

Ele nasceu na China e imigrou para o Canadá quando tinha cinco anos, crescendo em Toronto. Sua estreia no cinema foi como figurante em “Círculo de Fogo” (2013), de Guillermo del Toro, mas em três anos se tornou protagonista com o lançamento da série “Kim’s Convenience” (2016), comédia sobre uma família de imigrantes coreanos que administram uma loja de conveniência em Toronto. Ele também co-estrelou a série “Blood and Water”, que lhe rendeu um prêmio de interpretação da indústria canadense em 2015.

Além dele, o longa também contará com a comediante Awkwafina (“Podres de Rico”) e o astro de filmes de ação de Hong Kong Tony Leung (“O Grande Mestre”).

A direção está a cargo do cineasta indie Destin Daniel Cretton, responsável por projetar a atriz Brie Larson (a Capitã Marvel) em “Temporário 12”, drama vencedor do Festival SXSW em 2013. Já o roteiro foi escrito por Dave Callaham, criador da franquia “Os Mercenários”, que também assina o roteiro de “Mulher-Maravilha 1984” e “Zumbilândia 2”, e atualmente desenvolve o reboot de “Mortal Kombat” e “Homem-Aranha no Aranhaverso 2”.


Shang-Chi, o Mestre do Kung Fu, foi criado por Steve Englehart e Jim Starlin em 1973, refletindo o sucesso dos filmes de kung fu do período – especialmente “Operação Dragão”, clássico de Bruce Lee lançado no mesmo ano – e a série de TV “Kung Fu”.

A origem do herói também pegava emprestado o lendário Fu Manchu, criado na literatura pulp em 1912 pelo escritor inglês Sax Rohmer. O personagem foi o primeiro grande gênio do mal da ficção, responsável por popularizar o clichê do vilão com bigodinho e planos de dominação mundial que se tornariam lugar-comum nas aventuras de James Bond.

Nos quadrinhos, Shang-Chi foi apresentado como o filho rebelde de Fu Manchu, que passa a renegar o pai ao descobrir que ele não era o filantropo que dizia ser, aliando-se aos inimigos dele – os mesmos dos livros de Rohmer, com algumas criações inéditas, inclusive um suposto filho de James Bond.

A Marvel não tem os direitos sobre Fu Manchu, mas fontes da revista The Hollywood Reporter dizem que o filme preserva a trama da rebelião do filho altruísta contra o pai maligno. Rumores já espalham que o pai de Shang-Shi no filme seria o Mandarim.

O Mandarim já foi citado no Universo Cinematográfico da Marvel, quando um ator (vivido por Ben Kingsley) foi contratado para lhe dar rosto durante ataques contra o Homem de Ferro (em “Homem de Ferro 3”), mas sua verdadeira identidade permanece um mistério até aqui inexplorado.

O título “Shang-Chi and the Legend of the Ten Rings” (Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis, em tradução literal) indica que este pode mesmo ser o caso. Mandarim é conhecido por seus anéis de poder nos quadrinhos, e por liderar uma organização terrorista conhecida como Dez Anéis (Ten Rings) nos filmes do Homem de Ferro.

Suspeita: Tony Leung não teve seu papel revelado.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings