Criador de The Walking Dead revela que pretendia acabar a história na chegada à Alexandria



O escritor Robert Kirkman, criador dos quadrinhos de “The Walking Dead”, compartilhou com seus leitores os planos originais para o final da saga dos zumbis.

Caso levasse adiante esse planejamento, a publicação teria acabado bem antes desta quarta-feira (3/7), quando a última edição (de número 193) começou a circular nas comic shops dos Estados Unidos. Muitos anos antes, na verdade, com a chegada do grupo de sobreviventes liderado por Rick Grimes à cidade de Alexandria – o que aconteceu ao final da 5ª temporada da versão televisiva da história.

“O grande enredo de ‘Sem Saída’ termina com Rick proclamando que Alexandria era um local pelo qual valia a pena lutar, que eles poderiam deixar de mudar de lugar para lugar… Tinham que ficar, criar raízes e começar a construir a partir dali. Os dias de nômade ficariam para trás. Bem, por anos… esse era o plano para… o fim”, ele escreveu nas páginas da edição.

Entretanto, o desfecho não seria exatamente feliz, como o que o escritor acabou descrevendo ao encerrar a saga.

“Rick faria sua proclamação, e a fala terminaria com um grande zoom no rosto dele, você viraria a página e o rosto de Rick estaria igual, mas seria uma estátua… Então você se afastaria e veria a estátua completa com algumas vinhas crescendo na base, com rachaduras se formando e perceberia que aquilo é bem velho. Continuaríamos nos afastando até vermos que a estátua estava em Alexandria, no mesmo lugar em que ele fez seu discurso, mas o local estava diferente. Estava velho e precário, com janelas quebradas e portas faltando. Continuaríamos nos afastando até um zumbi aparecer e então outro… Aí veríamos que Rick os trouxe para Alexandria, se manifestou sobre reconstruir a civilização e conseguiu a ponto de construírem uma estátua em sua homenagem… Mas, no fim, os mortos venceram, sociedade desmoronou novamente e de vez… E seria isso.”

Kirkman avalia que um final tão sombrio não faria justiça aos personagens e à sua história de sobrevivência.


“Seria um fim terrível. Sombrio, triste… Perdendo todo o sentido da história. O que posso dizer… Eu era jovem e a maioria dos finais que escrevi eram assim… Bem sombrios. Então, esse final, em retrospectiva, era vergonhosamente ruim. Mas mais que isso, eu ainda não estava pronto para terminar essa história. Não por um bom tempo.”

Ele acrescentou que continuar a escrever “The Walking Dead” foi a melhor decisão que poderia ter tomado na ocasião, lembrando como a história melhorou nos capítulos seguintes, com a introdução de personagens icônicos e eventos que marcaram os quadrinhos – e a série.

“Pense sobre como as coisas seriam se eu tivesse concluído a história ali… Sem Negan, Ezekiel, Guerra Total, sem salto temporal, sem Magna, sem Sussurradores…”

Atualmente, a série baseada nos quadrinhos de Kirkman está na altura da edição 144 da saga, no começo da Guerra dos Sussurradores, que se encerrou no número 162.

“The Walking Dead” chega a sua 10ª temporada em outubro.



Pedro Prado é cinéfilo, fã de séries e quadrinhos, fotógrafo amador e bom amigo da vizinhança.



Back to site top
Change privacy settings