Fotos da nova versão de Adoráveis Mulheres juntam Emma Watson, Saoirse Ronan, Meryl Streep e Timothée Chalamet


A Sony divulgou as primeiras fotos da nova adaptação de “Little Women”, romance clássico de Louisa May Alcott que volta às telas com grande elenco e direção de Greta Gerwig (“Lady Bird”). As imagens destacam as estrelas e também cenas de bastidores que incluem a cineasta.

A produção reuniu um elenco para encantar a Academia, formado por Emma Watson (“A Bela e a Fera”), Meryl Streep (“Mamma Mia!”), Laura Dern (“Livre”), Florence Pugh (“Lady Macbeth”), James Norton (“McMafia”), Eliza Scanlen (“Objetos Cortantes”), Louis Garrel (“O Formidável”), Saoirse Ronan e Timothée Chalamet (dupla que trabalhou com Gerwig em “Lady Bird”). Watson, Ronan, Pugh e Scanlen vivem as personagens do título, as “pequenas” irmãs Marsh.

Mas o desafio não é encantar acadêmicos e críticos e sim o grande público. Afinal, trata-se de uma das histórias femininas mais filmadas de todos os tempos. O que leva à pergunta: por quê refilmá-la mais uma vez?

Não há sequer a desculpa de reapresentar a trama para novas gerações. Uma adaptação da obra de 1868 rendeu minissérie em dezembro passado – a terceira realizada apenas pela BBC, após minisséries nas décadas de 1950 e 1970.

Hollywood foi mais fundo na exploração da obra, numa coleção de filmagens que vem desde o cinema mudo. As mais famosas foram “As Quatro Irmãs” (1933) com a jovem Katharine Hepburn, “Quatro Destinos” (1949) com a adolescente Elizabeth Taylor e “Adoráveis Mulheres” (1994), que reuniu simplesmente Winona Ryder, Kirsten Dunst, Claire Danes e Trini Alvarado como as irmãs March, além de Susan Sarandon e Christian Bale.



A história é tão filmada que, no ano passado, além da minissérie da BBC, também rendeu outro filme, que oferecia uma versão “moderna” da trama, passada nos dias atuais. Foi destruído pela crítica.

De todo modo, como é possível reparar pela lista, cada filme foi lançado com um nome diferente no Brasil e nenhum dos “tradutores” optou pela simples tradução literal, demonstrando que a “criatividade” dos títulos nacionais é uma tradição quase tão antiga quanto o livro de Alcott.

O romance foi baseada na própria vida da escritora, inspirada pela juventude passada entre as irmãs, e integra a lista de obras de leitura “recomendada” nas escolas dos Estados Unidos. A história acompanha quatro irmãs durante a época da Guerra Civil americana, que lutam contra as dificuldades para crescer, entre a descoberta do amor, a inevitabilidade da morte, a superação de perdas, desilusões e outros desafios.

Gerwig foi trazida inicialmente para polir o roteiro da enésima versão da obra, mas, após o sucesso de “Lady Bird”, os executivos da Columbia/Sony decidiram dar mais responsabilidades à jovem cineasta, contratando-a para dirigir o longa.

A estreia está marcada para 25 de dezembro nos EUA, data que assume a pretensão de Oscar. Já o lançamento nacional deve acontecer apenas em fevereiro de 2020.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings