Mulher de Roman Polanski protesta contra novo filme de Tarantino

A atriz francesa Emmanuelle Seigner, esposa do cineasta Roman Polanski, usou o Instagram para expressar sua indignação contra o filme de Quentin Tarantino “Era uma vez em Hollywood”, em competição no Festival de Cannes, por abordar um episódio trágico na vida de seu marido sem que ele tivesse sido consultado.

No filme, Tarantino mostra os últimos dias da atriz Sharon Tate, então esposa de Polanski e grávida de oito meses, que foi selvagemente assassinada por membros de uma seita liderada por Charles Manson.

“Como podem usar a vida trágica de alguém ao mesmo tempo em que pisam nessa pessoa. É para refletir”, afirmou a atriz francesa no Instagram, que esclareceu: “Eu estou falando sobre o sistema que atropela Roman”.

“Não critico o filme. Digo apenas que, por um lado, não os incomoda fazer um filme que fala de Roman e de sua história trágica, enquanto que, por outro, fizeram dele um pária. E tudo isso sem consultá-lo, claro”, afirma. “O conceito me incomoda”, concluiu.

A inconformidade da atriz se deve à recente expulsão de Polanski da Academia de Artes e Ciências Cinemográficas, após pressão do movimento #MeToo por sua condenação por estupro de menor em 1977.

Na época, o diretor chegou a cumprir uma pequena pena de prisão, após entrar em acordo com a promotoria, mas o juiz decidiu rever o caso, o que fez o cineasta fugir para a França antes da sentença e se encontra foragido da justiça americana desde então. Isto não o impediu de receber um Oscar da Academia em 2003, por “O Pianista”. O que só aumentou sua inconformidade – e da sua esposa – pela expulsão.

Questionado em Cannes sobre a presença dos personagens de Sharon Tate e Roman Polanski em seu filme, Tarantino se limitou a dizer que “Sharon era uma atriz com muito encanto”.