Atriz portuguesa viverá vilã no novo Esquadrão Suicida



Mais um vilão de quinta categoria foi confirmado no novo “O Esquadrão Suicida”, escrito e dirigido por James Gunn (“Guardiões da Galáxia”). Segundo a revista Variety, a atriz portuguesa Daniela Melchior (“Parque Mayer”) vai interpretar a Caça-Ratos (Ratcatcher), que é homem nos quadrinhos da DC Comics.

Criado em 1988 como vilão de Batman, o personagem era um exterminador de ratos chamado Otis Flannegan, que adquire a habilidade de se comunicar e treinar ratos para seguir suas ordens. Para se diferenciar do personagem-título do terror “Calafrio” (Willard, 1971), Flannegan era desenhado com um disfarce de máscara de gás.

A transformação do vilão em mulher não muda o fato de que se trata de um personagem obscuro, de pouca projeção. Isto tanto pode sugerir uma reinvenção completa, uma avacalhação assumida ou uma chacina brutal – já que matar personagens terciários não afetaria os planos da DC no cinema.

Daniela Melchior vai se juntar a David Dastmalchian (“Homem-Formiga”), que viverá outro vilão inexpressivo, o Bolinha (Polka-Dot Man). Não é só o nome que é ridículo. Abner Krill é um criminoso que tenta ganhar notoriedade com um traje cheio de bolinhas que se transformam em armas sob o seu comando.



Os outros atores confirmados são Idris Elba (“Thor: Ragnarok”) e John Cena (“Bumblebee”), que não tiveram seus papéis revelados. Boatos que adiantaram com exatidão a participação dos dois personagens já confirmados incluem o Tubarão-Rei (mutante que pode ser visto na série “The Flash”) e o Pacificador (um extremista) no time.

Além destes, estão garantidos os retornos de Margot Robbie, que retoma o papel de Arlequina, e Jai Courtney, que viveu o Capitão Bumerangue no primeiro filme. Mas também são esperadas as voltas de Viola Davis como Amanda Waller, responsável pelo projeto do Esquadrão, e provavelmente Joel Kinnaman como Rick Flag.

A continuação chegará aos cinemas em 2021.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings