The Walking Dead mata dez personagens em episódio macabro



Intitulado de “The Calm Before”, o capítulo de domingo (24/3) de “The Walking Dead” fez justiça à comparação com o Casamento Vermelho de “Game of Thrones”, feita pelo Twitter oficial da produção. Em um dos episódios mais impactantes da série, dez personagens foram mortos brutalmente, entre eles três integrantes do elenco central, e suas cabeças fincadas em estacas para demarcar uma fronteira entre as comunidades e a terra dos Sussurradores.

A cena era um momento muito esperado pelos fãs dos quadrinhos de Robert Kirkman, em que a série se baseia, mas a showrunner Angela Kang mudou a seleção de personagens mortos.

Spoilers.

Nos quadrinhos, os personagens mortos por Alpha (Samantha Morton) e os Sussurradores incluíam Ezekiel (Khary Payton) e Rosita (Christian Serratos). Mas eles foram poupados na série. Em vez deles, entre as cabeças nas estacas apareceram Tara (Alanna Masterson), Enid (Katelyn Nacon) e Henry (Matt Lintz).

As mortes não foram mostradas. Um rápido flashback, ao final, revelou apenas que eles foram capturados e lutaram contra os Sussurradores. Neste sentido, a série da HBO foi bem mais tensa.

Mas isso não impediu o impacto da cena do encontro das cabeças decepadas, demarcando a fronteira macabra.

A visão sinistra poderia muito bem terminar a temporada. Mas o título sugere que algo pior ainda está por vir. Traduzido como “a calmaria antes”, o título do episódio compõe um velho ditado, que se completa com o nome do último capítulo da temporada: “The Storm” (a tempestade).



Em outra comparação com “Game of Thrones”, o inverno vai chegar a “The Walking Dead” no próximo domingo (31/3), com uma tempestade de neve devastadora.

O diretor e produtor Greg Nicotero disse ao The Hollywood Reporter que o fim da 9ª temporada “é diferente de qualquer outro episódio que já produzimos”.

A série também é exibida no Brasil aos domingos, pelo canal pago Fox.


Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings