Netflix compra suspense com dois astros dos Vingadores e diretor “brasileiro”



A Netflix adquiriu os direitos de exibição de “The Devil All the Time”, filme do diretor semi-brasileiro Antonio Campos (“Christine”) estrelado por uma constelação de astros, entre eles dois Vingadores: Tom Holland (“Homem-Aranha: De Volta ao Lar”) e Chris Evans (“Capitão América: Guerra Civil”), além de Robert Pattinson (“Crepúsculo”), Mia Wasikowska (“A Colina Escarlate”), Tracy Letts (“The Sinner”), Bill Skarsgard (“It: A Coisa”) e Eliza Scanlen (“Sharp Objects”).

Para completar o time de astros, o produtor é Jake Gyllenhaal (“Homem-Aranha: Longe de Casa”), que não deve aparecer na frente das câmeras.

Nascido e criado em Nova York, Campos nunca viveu no Brasil, mas o nome denuncia sua origem. Ele é filho do jornalista brasileiro Lucas Mendes (do programa “Manhattan Connection”) e da produtora indie americana Rose Ganguzza (“Margin Call”, “Versos de um Crime”), e vem se destacando com filmes bem avaliados no circuito de festivais desde sua estreia, “Buy It Now” (2005), premiada no Festival de Cannes. Ele também dirigiu “Depois da Escola” (2008), “Simon Assassino” (2012) e “Christine” (2016), sempre gerando comentários positivos, além de ter assinado os primeiros episódios das duas temporadas da série “The Sinner”.

Seu novo filme é a adaptação do livro de Donald Ray Pollock, inédito no Brasil, que foi lançado em Portugal com o título “Sempre o Diabo”.



A trama é um suspense que envolve diversos habitantes de uma cidadezinha americana, a fictícia Knockemstiff, em Ohio. Os protagonistas são Willard Russell e seu filho. Enquanto busca desesperadamente uma forma de salvar sua mulher doente, o pai se volta para as preces, enquanto seu filho se transforma de antiga vítima de bullying num homem que toma decisões ousadas.

A trama também inclui o corrupto xerife local, um casal de serial killers e um pastor que começa a duvidar de sua fé.

“The Devil All the Time” ainda não tem data de lançamento definida.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings