Luca Guadagnino adianta detalhes da continuação de Me Chame Pelo Seu Nome



O diretor Luca Guadagnino adiantou novidades sobre a sequência de seu filme “Me Chame Pelo Seu Nome”.

Em entrevista ao site italiano Bad Taste, o cineasta revelou como seria a cena de abertura da continuação, que encontrará Elio (Timothée Chalamet) em Paris, chorando enquanto assiste a um filme na televisão.

“Aqui está um pequeno furo: a sequência acontecerá em Paris e começa com Elio chorando enquanto uma luz brilha em seus olhos”, comentou. “Nos perguntamos: ainda estamos onde nós o deixamos? Com ele à frente da lareira? Não: ele está chorando porque está assistindo ao final de um dos melhores filmes dos anos 80, a obra-prima de Paul Vecchiali, ‘Uma Vez Mais’.”

“É absolutamente coerente com o personagem: Elio ama o cinema de Paul Vecchiali. É melancólico como ele”, finalizou.

A citação também dá uma noção da época em que o filme se passa. “Uma Vez Mais” é de 1988. E o fato de estar sendo exibido na televisão francesa joga a trama para 1990, no mínimo.


Também é a segunda vez que o diretor cita este filme ao mencionar a continuação. A referência tem significado importante por ter sido o primeiro longa francês a lidar com a AIDS.

Em entrevista anterior ao Collider, Guadagnino deu outros detalhes que se encaixam na época focada, colocando a queda do Muro de Berlim como pano de fundo para a trama.

“Acho que acabarei fazendo vários filmes sobre esses personagens, porque eu os amo muito. Acredito que a experiência de vida deles está pronta para várias aventuras. Imagino que o próximo capítulo vai acontecer logo após a queda do Muro de Berlim e aquela grande mudança que foi o fim da União Soviética. Veremos as pessoas saindo de casa e indo para o mundo. É o que posso dizer por enquanto”.

Outros detalhes que tem sido apurados da continuação é que Dakota Johnson, que estrelou o novo filme de Guadagnino, “Suspiria”, teria topado participar da trama como esposa de Oliver, o personagem de Armie Hammer.

No entanto, ainda há muitos obstáculos que o cineasta precisa superar para dar vida ao filme. Ou seja, ele tem que obter a aprovação do escritor André Aciman, que criou os personagens, e do roteirista James Ivory, responsável pela adaptação cinematográfica.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings