Crítica: Aquaman aproxima universo DC dos filmes da Marvel



Principal aposta da DC Comics/Warner Bros em 2018, “Aquaman” representou uma mudança muito clara em relação às adaptações de histórias de super-heróis produzidas pelo estúdio. Todo aquele clima sombrio e depressivo foi deixado de lado, em favor de uma ambientação colorida e de uma narrativa mais leve e engraçada. Ou, ao menos, essa era a ideia.

Escrito por David Leslie Johnson-McGoldrick (“Invocação do Mal 2”) e Will Beall (“Caça aos Gângsteres”), o roteiro segue uma fórmula esquemática e um tanto repetitiva (na qual se precisa encontrar um objeto, que leva a outro lugar em busca de outro objeto, etc.), mas acerta ao não perder tempo detalhando a origem do personagem, pois ele já foi visto em “Liga da Justiça”. Embora existam flashbacks da infância de Arthur Curry, logo de início já o vemos em ação salvando a tripulação de um submarino.

Relutando em assumir o papel de herói, Curry (Jason Momoa) renega a sua origem atlante (ele é filho da rainha Atlântida e de um humano). Porém, precisa se unir a Mera (Amber Heard) para encontrar uma arma mítica capaz de controlar os sete mares e derrotar seu meio-irmão, Orm (Patrick Wilson), que pretende tomar o trono de Atlântida e iniciar uma guerra contra a superfície.

A dupla de protagonistas se esforça ao máximo para trazer um pouco de humor para essa trama-clichê, mas nem sempre consegue, o que torna alguns dos elementos, como um vestido feito de águas-vivas ou penteados bizarros, apenas ridículos. O mesmo pode ser dito da sequência em que Arthur e Mera chegam na Itália, que transforma o longa numa comédia romântica, embalada por uma trilha sonora brega e por momentos (supostamente) engraçadinhos.

Mesmo que essas inserções constantes de humor sejam uma exigência do estúdio, o filme de James Wan (“Invocação do Mal”) não mostra coesão para se apresentar como comédia, nem tampouco para levar a sério sua trama fantasiosa. Afinal, Wan é um cineasta que não tem muita experiência no gênero. Seu humor é proveniente do exagero (como em “Velozes & Furiosos 7”), não de piadas.



Felizmente, não falta exagero em “Aquaman”.

As sequências de ação são muito bem coreografadas e Wan não abandona suas referências de terror, criando situações que remetem aos seus trabalhos anteriores – com direito a monstros marinhos.

Mas há grandes equívocos. O uso de uma trilha sonora com sintetizadores, por exemplo, destoa do que está sendo mostrado, quebrando o ritmo das cenas. E o romance melado dos protagonistas tem direito a beijo em meio a cenas de ação, com direito à sugestão de que explosões mortais de fundo podem representar fogos de artifício românticos.

Fica claro desde o início que a referência são as produções da Marvel, modelo mais bem-sucedido dos filmes de super-heróis. A mudança, que começou a ser ensaiada em “Liga da Justiça” e “Mulher-Maravilha”, parece cada vez mais próxima de se materializar em “Aquaman”. Agora é ver quão mais próximo da Marvel será “Shazam!”, filme do herói que, por ironia, costumava se chamar Capitão Marvel até recentemente.





Back to site top
Change privacy settings