Ex-modelo revela ter sido amante de Woody Allen aos 16 anos de idade



A ex-modelo Christina Engelhardt revelou à revista The Hollywood Reporter que escondeu por mais de 40 anos seu envolvimento com o cineasta Woody Allen, que começou quando ela tinha apenas 16 anos de idade.

O relacionamento começou 1976. Fã dos filmes de Allen, ela avistou o cineasta de longe num restaurante e decidiu deixar em sua mesa um bilhete: “Você já assinou autógrafos demais, então aqui está o meu”, dizia. Ao lado da assinatura, incluiu seu número de telefone.

Aos 41 anos na época, Allen ligou para o número no bilhete e começou um caso secreto com a modelo. Ele nunca perguntou a idade dela, segundo Engelhardt, mas sabia que ela ainda estava no ensino médio e morava com a sua família.

Os termos do envolvimento dos dois também eram controlados por Allen – e ela pouco resistiu às suas regras. “Eu só queria agradar. Como ele era um diretor famoso, eu tinha um sentimento de quase devoção em relação a ele”, conta.

O cineasta proibia discussões sobre o seu trabalho quando os dois estavam juntos, e exigia que eles só se encontrassem em seu apartamento em Nova York, com as cortinas sempre fechadas. “A vista do Central Park provavelmente era linda, mas eu nunca a vi”, comenta a modelo.

Após pouco mais de um ano de relacionamento, Allen começou a trazer outras mulheres para os encontros dos dois. Quando completaram quatro anos, ele a apresentou a sua nova namorada: a atriz Mia Farrow, com quem ele subsequentemente se casaria.

“Eu me senti enjoada. Eu não queria estar lá [no quarto com os dois], mas não tinha coragem de ir embora. Ir embora significaria que tudo isso estaria acabado. Olhando para trás, eu sei que era disso que eu precisava, mas não ter Woody na minha vida parecia absurdo naquela época”, ela escreveu em seu diário, entregue à THR.

Engelhardt diz que sempre foi evidente que Farrow estava fazendo aquilo a pedidos de Allen, e não por sua própria vontade. Mesmo assim, as duas desenvolveram uma amizade, bastante influenciada pela paixão de ambas por animais e astrologia.


Relembrando o escândalo que Allen enfrentaria anos mais tarde, quando foi revelado o seu caso com a filha da atriz, Soon-Yi Previn (agora esposa do cineasta), Engelhardt comenta: “Eu me senti mal por Mia. Woody tinha tudo o que poderia querer. Ele precisava tirar algo de Mia?”.

“Ele treinou Mia, fez com que ela aguentasse tudo o que ele queria fazer. E depois fez isso. Foi um total desrespeito”, completa.

A ex-modelo também acredita ter inspirado “Manhattan”, lançado por Allen em 1979, em que o personagem interpretado pelo diretor se envolve com uma aspirante a atriz adolescente interpretada por Mariel Heminghway. Engelhardt percebeu os paralelos nas primeiras cenas.

“Eu chorei durante toda a sessão. Foi como se todos os meus piores medos viessem à superfície. Era assim que ele se sentia sobre mim? Nós dividimos uma conexão tão forte, desde o começo, e aqui estava essa interpretação de mim para todos os críticos de arte verem e desconstruírem”, comentou.

Engelhardt deixou Allen e viajou à Europa nos anos 1980, onde se tornou amiga do cineasta Federico Fellini, um dos ídolos de seu ex-amante. Nesse período, virou atriz e apareceu em alguns filmes B italianos, dos quais o mais famoso é “Demonia” (1990), de Lucio Fulci.

Atualmente trabalhando como astróloga, ela diz que não quer “derrubar” Allen com sua história. Mas prepara, claro, um livro/roteiro sobre seu relacionamento com o cineasta, que já está listado em seu site oficial.

“O que me fez falar sobre isso é que eu sabia que poderia prover uma nova perspectiva. Eu estou contando a minha história. A história que me moldou. Não tenho arrependimentos”, completa.



Pedro Prado é cinéfilo, fã de séries e quadrinhos, fotógrafo amador e bom amigo da vizinhança.



Back to site top
Change privacy settings