Bem-Vindos à Marwen pode dar prejuízo de US$ 50 milhões à Universal



“Bem-Vindos à Marwen” tinha uma missão árdua em seu lançamento nos Estados Unidos, ao chegar nos cinemas no mesmo fim de semana de “Aquaman”, “O Retorno de Mary Poppins” e “Bumblebee”. O que não se esperava é que seu desempenho fosse ser tão ruim.

O novo filme do cineasta Robert Zemeckis (“Forrest Gump”, “De Volta para o Futuro”) foi um fracasso clamoroso de bilheteria, rendendo apenas US$ 2,3M (milhões) e entrando em 9º lugar no ranking. Perdeu até para uma estreia que não investiu em marketing, a comédia romântica “Uma Nova Chance” (US$ 6,5M), com Jennifer Lopez.

O valor de US$ 2,3M apurados em 1,9 mil cinemas representa a pior abertura de um lançamento de grande estúdio nos Estados Unidos em 2018, empatado com a comédia “Action Point”, escrita e estrelada por Johnny Knoxville.

Para piorar, esse desempenho venho acompanhado de críticas muito negativas, fazendo com que atingisse apenas 25% de aprovação no Rotten Tomatoes. A baixa aprovação elimina possibilidade de reviravolta, sugerindo que o longa esteja condenado a piorar drasticamente seu desempenho.

Considerando o orçamento de US$ 40 milhões e o grande investimento em marketing da Universal Pictures, especialistas em bilheterias consultados pelo site The Hollywood Reporter estimaram que “Bem-Vindos à Marween” resultará em um prejuízo de US$ 50 milhões para o estúdio e seus parceiros, como as produtoras DreamWorks e ImageMovers.

Isto mesmo. As produtores deve perder mais dinheiro com o filme do que gastaram para filmá-lo. Se isso não faz sentido, é porque se subestima quanto realmente custa um filme. As despesas não se encerram quando ele fica pronto, já que envolvem anúncios publicitários, produção de trailers, material de divulgação, eventos de lançamento, equipe de apoio de divulgação, assessoria de imprensa, salários de profissionais diversos, impostos, tudo isso multiplicado para cada país que recebe a estreia.


Ao menos, o desastre não será tão grande quando “Máquinas Mortais” na semana passada, cujo prejuízo está sendo estimado em US$ 150M.

Infelizmente, ambos foram produções da Universal, que precisa urgentemente de um sucesso para começar 2019, ainda mais com as despesas resultantes da compra da rede de canais pagos Sky por sua matriz, a Comcast.

“Bem-Vindos à Marwen” estreia em 14 de março no Brasil.

O filme é uma fantasia dramática que mistura animação de bonecos com atores reais e curiosamente é baseada numa história verídica. Sua trama é inspirada no documentário “Marwencol” (2010), de Jeff Malmberg, sobre a história de Mark Hogancamp.

Vivido no filme por Steve Carell (“A Guerra dos Sexos”), Hogencamp concebeu uma cidade em miniatura, que batizou de Marwen, recriando cenas da 2ª Guerra Mundial com bonecos. Cada habitante de plástico de Marwen era inspirado em pessoas que ele conhecia. Mas o que se tornou uma ambiciosa instalação de arte começou como uma forma dele lidar com uma violenta agressão física que sofreu nas mãos – e pés botinados – de um grupo de brutamontes. Antes do ataque, ele era ilustrador, mas perdeu a capacidade de desenhar devido às sequelas do crime, além de ter ficado com danos físicos e abalado psicologicamente. Assim, passou a usar sua imaginação e talento criativo para criar cenários e contar uma história diferente, que mostrava vilões nazistas perdendo batalhas lideradas por ele mesmo, como um oficial aliado, na companhia das mulheres guerreiras que o ajudaram a se recuperar na vida real.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings