Paramount fecha contrato com a Netflix para produzir filmes exclusivos para streaming


Com a perda dos filmes da Disney e Fox, e com a Warner preparando seu próprio serviço de streaming, a Netflix voltou-se para outro grande estúdio de Hollywood em busca de material inédito para seus assinantes.

A plataforma fechou um contrato com Paramount Pictures para produzir longas-metragens que aportarão diretamente no serviço de streaming.

O chefe da Paramount, Jim Gianopulos, noticiou o acordo em uma reunião com acionistas nesta sexta-feira (16/11). “Nossa prioridade é expandir o nosso papel como produtores de conteúdo global”, justificou o executivo.

“Para isso, estamos explorando diversas fontes de renda alternativas junto à distribuição tradicional para os cinemas. Passaremos a ser produtores de filmes que passarão na TV e no streaming”, prometeu.

A colaboração entre Paramount e Netflix começou, de forma pontual, com duas ficções científicas neste ano: “O Paradoxo Cloverfield”, que foi disponibilizada com exclusividade na plataforma de streaming, e “Aniquilação”, lançada nos cinemas apenas nos Estados Unidos e na China e distribuída em streaming no resto do mundo.


Já em produções televisivas, a parceria abrange vários títulos, como “Maniac” e “13 Reasons Why”, entre outras.

“Temos um longo relacionamento com a Netflix”, observou o chefe do estúdio. “No lado de licenciamento, conhecemos a equipe de gerenciamento sênior há muitos anos. Isso representa um fluxo de receita com o qual estamos empolgados. Temos mais capacidade de produção do que o parque exibidor de cinema pode acomodar. Enquanto cinema continua sendo nosso principal negócio, estamos muito felizes em trabalhar com empresas como Netflix, Amazon e outras como parceiros e novos clientes.”

Os gastos com conteúdo da Netflix, Amazon, Hulu e Apple devem superar US$ 20 bilhões em 2018, segundo Gianopulos. “Eles estão procurando por grandes propriedades e temos grandes franquias, ótima tradição em desenvolvimento, grandes relacionamentos criativos e potencial para desenvolver para eles”, acrescentou.

“De certa forma, isso é apenas uma evolução dos dias em que os estúdios faziam MOWs [filmes da semana] para as redes de TV”, continuou Gianopulos. “A diferença, claro, é que a qualidade de alguns desses filmes é muito maior, tornando esses relacionamentos ainda mais valiosos. E isso reforça a força de um estúdio grande e bem estabelecido como a Paramount.”

Embora o chefe da Paramount não tenha revelado detalhes, o acordo é similar ao fechado entre a Apple e o estúdio A24, que também foi noticiado nesta sexta-feira.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings