Homens adultos protestam ao perceber que novo desenho da She-Ra é para meninas


Parece incrível, mas muitos homens adultos com mais de 30 anos ficaram surpresos ao descobrir que o novo desenho da heroína “She-Ra”, produzido pela DreamWorks para a Netflix, não é para eles, mas para meninas de até 14 anos. Mais incrível ainda é que fizeram questão de registrar seus protestos no site interativo IMDb (Internet Movie Data Base), o maior banco de dados de críticos amadores do mundo.

Atualmente com nota 6,6 no site, “She-Ra e as Princesas do Poder” dividiu opiniões. A maioria dos usuários deu nota 10, mas a segunda nota mais votada foi 1, no extremo oposto.

Um dos usuários que deu ao desenho nota 1 se justificou em uma resenha intitulada “A série é para garotinhas”.

“Estava me sentindo nostálgico, e quando ouvi que a Netflix ia reimaginar ‘She-Ra’ pensei em dar uma chance. Assisti a quatro episódios antes de perceber que esse programa não era para mim. Apenas para esclarecer: o programa é terrível”, escreveu.

Outro reclamou: “Quando as pessoas dizem ‘é um programa para crianças’, isso é verdade apenas até certo ponto. Sem todos nós, fãs da verdadeira ‘She-Ra’ do passado, os que fizeram dela o nosso mundo quando NÓS éramos crianças, nem valeria a pena refazer este desenho!”, reclamou outro fã.


Mas houve quem percebesse que a atração sempre foi voltada para crianças, inclusive nos anos 1980.

“Eu tenho quase 40 anos, e assistir ao desenho com a minha filha de 7 anos é ótimo. Ela ama o programa e eu também. Ler essas resenhas horríveis me faz perceber que pessoas da minha geração são burras. Se você quer ver o desenho original, com a animação e dublagens ruins, então vá assisti-lo. Essa reinvenção é fantástica. E exatamente o que essa geração de jovens precisa”, opinou outro usuário.

Em meio aos protestos, também se viu reações similares a quem defende, no Brasil, a chamada “Escola sem Partido”, reclamando da agenda de gênero da série.

“Isto é horrível, não é a She-Ra. Faça personagens de seios pequenos em suas próprias criações e pare de destruir tudo. O desenho não passa de outra desculpa para envenenar as crianças. Assisti um único episódio e foi difícil. Não há criatividade, apenas uma agenda esquisitona”, reclamou um dos que deu nota 1.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings