Academia desiste de criar o Oscar de Melhor Filme Popular



A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos desistiu de introduzir a anunciada categoria do Oscar que premiaria o Melhor “Filme Popular” do ano – por enquanto.

A novidade foi anunciada no mês passado e deveria estrear no Oscar 2019, que será entregue no próximo dia 24 de fevereiro. Mas, em comunicado oficial, Dawn Hudson, CEO da Academia, admitiu que a recepção negativa ao anúncio original fez a Academia repensar a decisão.

“Houve um leque muito grande de reações à introdução desse novo prêmio e reconhecemos que existe a necessidade de discuti-lo melhor entre os nossos membros”, comentou. “Fizemos muitas mudanças no Oscar ao longo do tempo e vamos continuar evoluindo, embora respeitando o incrível legado dos últimos 90 anos”.

O anúncio feito pela Academia no mês passado não estabelecia os critérios pelos quais os longas seriam selecionados para a categoria de “filme popular”, demonstrando um certo improviso na novidade. Especula-se que a iniciativa tenha sido resultado de uma pressão da rede ABC, que transmite a cerimônia. O Oscar deste ano deste ano registrou a pior audiência televisiva da história da premiação nos Estados Unidos. E foi considerado significativo o fato de os principais concorrentes serem filmes independentes que pouca gente assistiu. Os nove indicados ao Oscar de Melhor Filme faturaram, em média, US$ 78,7 milhões nas bilheterias dos EUA.



Com contrato para transmitir o Oscar até 2028, a ABC teria apontado outros problemas que a Academia deveria resolver, segundo apurou a revista Variety. Além da falta de filmes populares, o que mais estaria sendo reclamado é a longa duração do evento. A transmissão de 2018 durou 3 horas e 53 minutos.

Incorporando as sugestões da ABC, a Academia também vai buscar reduzir o evento para 3 horas. Uma das ideias sendo discutidas é a entregas de prêmios técnicos, como som, edição e maquiagem, durante os intervalos.

Os indicados ao Oscar 2019 serão anunciados no dia 22 de janeiro.


Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings