Janelle Monáe lança álbum visual com músicas de Dirty Computer e trama de sci-fi distópica

 

A cantora e atriz Janelle Monáe (“Estrelas Além do Tempo”) lançou um versão visual de “Dirty Computer”, seu disco mais recente, que reúne diversos clipes. Mas ao contrário do que fez Beyoncé com “Limonade”, exibido com exclusividade na HBO, o “filme” de Janelle foi disponibilizado na íntegra no YouTube.

O filme é uma ópera pop-hop espacial, com muitos efeitos visuais, clima sci-fi e ganhou até um “pôster de cinema”. Veja abaixo.

Por meio dos clipes, “Dirty Computer” conta a história de “Jane 57821” (Monáe), que surge amarrada a uma cadeira em uma instalação austera, onde uma voz desencarnada diz que ela é “um computador sujo” que precisa de uma limpeza. Ela discorda, porque se considera um espírito livre, que desafia uma distopia de um futuro próximo, ao se empoderar e celebrar seu amor pela rebelde Zen (Tessa Thompson, de “Thor: Ragnarok”, suposta namorada da cantora) e a comunidade negra queer que aceita as duas.

Ao longo da seleção musical, Jane luta para manter sua identidade enquanto dois técnicos de laboratório assistem e limpam suas memórias mais preciosas.

Ela explicou o significado da trama distópica para a revista Rolling Stone. “Eu quero que garotas e garotos, pessoas não-binárias, gays, heterossexuais e queer que estejam tendo dificuldade em lidar com sua sexualidade, lidando com o sentimento de ostracismo ou intimidação, apenas por serem seus eus únicos, saibam que vejo vocês. Este álbum é para vocês. Sejam orgulhosos”, disse Janelle, em entrevista.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna

Back to site top
Change privacy settings