Taken: Série baseada na franquia Busca Implacável está virtualmente cancelada

 

A rede NBC tirou do ar a série “Taken”, derivada da trilogia de cinema “Busca Implacável”. Os episódios da 2ª temporada estavam sendo exibidos nas noites de sexta-feira e ironicamente vinham recuperando público.

Após estrear a temporada diante de 2,7 milhões de espectadores, os dois últimos episódios foram vistos por 3 milhões. Mas a audiência de 0,4 ponto na demo (a faixa demográfica de adultos entre 18 e 49 anos, mais relevante para os anunciantes) foi determinante para a decisão.

Agora, os episódios que sobraram serão despejados na programação de sábado, dia em que habitualmente não são exibidas séries, a partir de 26 de maio. Isto significa que “Taken” está virtualmente cancelada, aguardando apenas o anúncio oficial.

A série quase foi cancelada no ano passado, após amargar apenas 32% de aprovação no site Rotten Tomatoes. Ela foi renovada devido ao interesse internacional. Por se basear numa franquia conhecida, atraiu interesse de muitos mercados estrangeiros, tornando-se lucrativa para o estúdio NBCUniversal, parceiro da EuropaCorp (estúdio do filme) na produção.

Mas houve mudanças profundas da trama, com substituição de showrunner e quase todo o elenco da temporada inaugural. O público, porém, rejeitou as mudanças.

Produzida pelo cineasta francês Luc Besson, um dos criadores da franquia cinematográfica, “Taken” era uma espécie de prólogo dos filmes estrelados por Liam Neeson, mas com muita liberdade criativa. Apesar de acompanhar a juventude do agente Bryan Mills, a trama é ambientada nos dias atuais e não nos anos 1970, como seria o caso se a idade do ator original fosse levada em conta.

O elenco traz o norte-irlandês Clive Standen (o Rollo da série “Vikings”) como a versão jovem do personagem de Neeson, e ainda destaca Jeniffer Beals (séries “The L Word” e “Proof”) como Christina Hart, diretora de uma agência de inteligência, que se torna sua mentora.

No Brasil, a série é disponibilizada pelo serviço de streaming da Amazon.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna

Back to site top
Change privacy settings