Choi Eun-hee (1926 – 2018)

A atriz Choi Eun-hee ícone do cinema sul-coreano dos anos 1950 e 1960, faleceu na segunda-feira (16/4), em Seul, aos 91 anos, após uma longa doença.

Ela fez sucesso numa época em que o cinema do país não tinha tanta repercussão no Ocidente quanto hoje. Mas formou, ao lado do marido, o diretor Shin Sang-ok, o principal casal da indústria cinematográfica do país asiático durante duas décadas. A parceria dos dois rendeu mais de 100 filmes, como “A Flower in Hell” (1958), “A Happy Day of Jinsa Maeng” (1961), “Rice” (1962), “Red Scarf” (1963) e “Phantom Queen” (1967), nenhum deles lançado no Brasil.

Em 1978, após descobrir que o marido mantinha uma amante, a atriz Oh Su-mi, com quem teve dois filhos, ela se divorciou de Shin.

Mas a história do casal não terminou aí, e acabou se tornando mundialmente conhecida por razões alheias à sua vontade.

Dois anos depois, Choi foi sequestrada depois durante uma viagem a Hong Kong e levada para a Coreia do Norte, por ordem de Kim Jong-il (pai do atual líder norte-coreano, Kim Jong-un).

Desesperado com o sumiço da ex-mulher, Shin seguiu o rastro de Choi até Hong Kong, onde também foi sequestrado e levado para a Coreia do Norte.

Apaixonado pela sétima arte, Kim comunicou seu plano de transformá-los no pilar do cinema de propaganda norte-coreano. E para reforçar os planos, obrigou-os a se casarem novamente.

Eles viveram oito anos no país, sem a menor liberdade, e chegaram a realizar sete filmes para o ditador antes de fugirem.

Sua fuga aconteceu de forma cinematográfica. Após convencerem Kim de que suas realizações no cinema norte-coreano precisavam ser reconhecidas no mundo inteiro, conseguiram incluir um filme na seleção do Festival de Berlim, para onde viajaram em 1986. Lá, conseguiram despistar seus guardas e escaparam para a Áustria, sendo perseguidos até chegar em Viena e entrar na embaixada dos Estados Unidos, onde seu pesadelo acabou, ao conseguirem asilo.

Após conquistar a liberdade, o casal permaneceu junto por vontade própria. Ambos viveram os anos 1990 nos Estados Unidos, antes de retornar para a Coreia do Sul, onde Shin faleceu em 2006.

No mesmo ano, Choi recebeu um prêmio pela carreira da Academia Sul-Coreana de Cinema, mas sua saúde imediatamente começou a se deteriorar, de acordo com familiares e repórteres que a entrevistaram na casa de repouso onde vivia, nos arredores de Seul.

Ela fazia um tratamento de rotina quando faleceu, revelou seu filho mais velho, Shin Jeong-gyun.

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna

Back to site top
Change privacy settings