Atrizes de Smallville podem ser presas após FBI desmantelar seita sexual religiosa

 

O FBI desmantelou a seita NXIVM e, com ajuda da polícia federal mexicana, prendeu seu fundador Keith Raniere, que aliciava mulheres para servirem de escravas sexuais. Além de sexo, elas eram obrigadas a realizar tarefas domésticas e eram marcadas à ferro, como se fossem gado.

Raniere foi preso no domingo passado (25/3) numa luxuosa vila nos arredores de Porto Vallarta, no México, e extraditado para julgamento nos EUA, e um vídeo do momento da prisão, que veio à tona na quinta (29/3), mostra a atriz Allison Mack no local, conclamando outras seguidoras a seguir o carro da polícia com o líder (veja abaixo). O braço direito de Raniere na seita seria justamente a intérprete de Chloe Sullivan na série “Smallville”.

Ela pode ser a próxima a ser presa e a polícia federal americana também investiga o envolvimento de Kristin Kreuk, a Lana Lang de “Smallville”. Kreuk teria sido a responsável por recrutar Mack, ainda na época de “Smallville”, mas, segundo testemunhos de ex-membros, afastou-se da seita antes que ela se tornasse bizarra de verdade.

Em novembro, o jornal The New York Times publicou um dossiê expondo a organização, iniciada como um grupo de auto-ajuda, que alega ter auxiliado milhares de pessoas a “alcançarem seu potencial” por meio de cursos. Desde os anos 1990, mais de 16 mil se matricularam nos cursos do grupo. Mas apenas as mulheres mais bonitas eram recrutadas para o grupo interno de escravas, denominado DOS (abreviatura de “dominus obsequious sororium”).

A estrutura da seita se baseava em um esquema-pirâmide. Além de pagar o curso inicial, as participantes eram obrigadas a comprar aulas adicionais com preço ainda mais elevado e motivadas a recrutar outras mulheres e a marcá-las com suas iniciais para “subir” dentro da hierarquia da organização e assim obter privilégios, como se aproveitar das demais escravas.

Havia uma condição prévia para participar: ceder informações comprometedoras sobre amigos e familiares, divulgar fotos sem roupas e controlar os pertences dos recrutas captados.

Nesta sociedade secreta, Raniere era o único homem, conhecido como o “Amo das companheiras obedientes”.

As mulheres eram convencidas a participar da seita sexual por ele, que argumentava que a organização tinha como objetivo “empoderar as mulheres e erradicar as fragilidades do programa principal”. No entanto, Raniere sempre ficava no topo da pirâmide. Assim, todas as mulheres deveriam atuar como se fossem suas servas.

Dentro do culto, elas deveriam obedecer uma hierarquia mestre-escravo. Raniere seria “dono” de um harém. As escravas dele, por sua vez, tinham um grupo de servas para si, e assim por diante. Todas as escravas precisavam obedecer aos mestres 24 horas por dia e recrutar outras mulheres para a seita, como em um esquema de pirâmide. Caso não conseguissem, eram submetidas a castigos como surras.

Além disso, elas tinham que tomar banhos de água fria e ficar 12 horas sem comer, mantendo uma dieta diária de apenas 500 a 800 calorias, pois, segundo o “mestre supremo”, mulheres magras eram mais vigorosas.

Em entrevista coletiva, o subdiretor-adjunto do FBI em Nova York, William Swenney, considerou as ações de Raniere como um “repugnante abuso de poder e um ato que denigre as mulheres”.

Comente

Pedro Prado é cinéfilo, fã de séries e quadrinhos, fotógrafo amador e bom amigo da vizinhança.

Back to site top
Change privacy settings