Criadora de One Day at Time revela critério da Netflix para cancelar séries

A roteirista e produtora Gloria Calderón Kellett, criadora do reboot da sitcom “One Day at a Time”, acabou revelando o critério da Netflix para renovar ou cancelar séries, ao fazer um desabafo numa rede social, em que demonstrou preocupação com o destino de sua série, bem-vista pela crítica, mas, aparentemente, pouco vista pelo público.

“Se você quer apoiar a série e a mim, POR FAVOR assista ao menos QUATRO episódios nos próximos dias”, escreveu a escritora no Twitter, usando letras maiúsculas para destacar determinadas palavras. “A Netflix decide qual série será renovada com base em visualizações [dos episódios]. Eu amo esta atração e amo escrever sobre esta família. POR FAVOR, ASSISTAM! Obrigada”, ela escreveu.

O texto expõe que, assim como uma rede de TV convencional, a Netflix leva, sim, em consideração a audiência. Quatro episódios, assistidos durante determinado período, é a média que conta. E se não ficou claro, ela ainda repetiu: “Mamãe não é tão orgulhosa que não pode implorar. EU AMO esta família dentro e fora da tela. Representatividade importa. Mike Royce e eu tenho muitas histórias para contar! Os co-criadores de ‘One Day at a Time’ pedem aos fãs que vejam quatro episódios nos próximos dias”, Kellett escreveu no Twitter, linkando um artigo que fala sobre como o futuro da produção depende disso.

A 2ª temporada do reboot de “One Day at a Time” estreou no dia 26 de janeiro e conquistou 100% de aprovação no site Rotten Tomatoes. Mas, para demonstrar que qualidade não entra no algorítimo da Netflix, a 2ª temporada de “Lady Dynamite” também teve 100% de aprovação e foi cancelada assim mesmo – enquanto “Friends from College”, com 24% de aprovação, foi renovada.

Gloria Calderón Kellett deve ter acesso aos números de visualizações dos episódios para ter feito um apelo em tom tão desesperado – aos gritos (que é o que representam letras maiúsculas no vocabulário online). Desde que o ano começou, a Netflix já cancelou “Lady Dynamite” e “Disjointed”.

O “One Day at a Time” original foi criado por Norman Lear, um dos principais roteiristas-produtores de sitcoms de famílias americanas dos anos 1970 – que também criou “Os Jefferson”, “Maude”, “Tudo em Família” e “Good Times”.

Na versão de 1975, a série acompanhava a mãe divorciada vivida por Bonnie Franklin, após ela se mudar com suas duas filhas (Mackenzie Phillips e Valerie Bertinelli) para um prédio de apartamentos em Indianápolis, onde a família contava com a ajuda do zelador Schneider (Pat Harrington) para lidar com os problemas do dia-a-dia.

Na versão da Netflix, a família é latina. O reboot acompanha três gerações de uma família de origem cubana que vive sob um mesmo teto. A mãe e veterana militar Penélope (Justina Machado) alista a “ajuda” de sua mãe cubana Lydia (Rita Moreno) e do rico proprietário do imóvel Schneider (Todd Grinnell), enquanto cria dois adolescentes: sua filha radical Elena (Isabella Gomez) e o filho introvertido Alex (Marcel Ruiz). Sim, a produção mudou diversos detalhes, incluindo o sexo de um dos filhos.

A atração recebeu elogios rasgados da imprensa norte-americana e se destaca por ser uma das poucas sobre família latina atualmente em produção nos Estados Unidos. A Netflix, por sinal, vai investir nesse filão em nova série ainda este ano: “On My Block”, prevista para 16 de março.