Ridley Scott não avisou Kevin Spacey que ele seria cortado de Todo o Dinheiro do Mundo

O diretor Ridley Scott disse que não avisou Kevin Spacey que iria substitui-lo por Christopher Plummer em “Todo o Dinheiro do Mundo”. Em entrevista ao jornal New York Times, Scott afirmou que esperava uma ligação do ator após as várias acusações de assédio e, como ele não se dignou a fazer isso, também não fez questão de explicar porque ele seria cortado e substituído após ter feito o seu trabalho.

“Uma ligação teria sido legal. Primeiro fiquei desapontado, depois fiquei louco”, disse Scott, completando que Spacey foi pago pelo papel e não havia nada em seu contrato que proibisse a substituição.

“Todo o Dinheiro do Mundo” acabou conquistando três indicações ao Globo de Ouro 2018, inclusive na categoria de Melhor Ator Coadjuvante para Christopher Plummer.

Plummer entrou no filme na pós-produção, após o estouro do escândalo sexual envolvendo Spacey. A solução dispendiosa envolveu não apenas mais um salário, mas também refilmagens extensas. E Scott só conseguiu o aval da Sony ao prometer que entregaria a nova versão do filme, sem Spacey, no prazo da estreia oficial: 22 de dezembro nos Estados Unidos. Mesmo assim, o filme acabou adiado para 25 de dezembro.

A grande ironia é que Plummer tinha sido a escolha original do diretor para o papel, mas a Sony pressionou por Spacey, um ator mais “atual”.

Para complicar, Ridley Scott filmara “Todo o Dinheiro do Mundo” a toque de caixa. Não apenas para aprontá-lo a tempo de pegar a temporada de premiações, mas porque queria chegar aos cinemas antes da estreia de um projeto televisivo sobre a mesma história, feito por outro grande cineasta: a minissérie “Trust”, desenvolvida pelo roteirista Simon Beaufoy e o diretor Danny Boyle (a dupla de “Quem Quer Ser um Milionário?”), que estreia em janeiro no canal pago FX.

Filme e minissérie giram em torno do famoso sequestro do então adolescente John Paul Getty III na Itália, em 1973, e as tentativas desesperadas da sua mãe, a ex-atriz Gail Harris (papel de Michelle Williams no filme), para conseguir que o avô bilionário do rapaz pagasse o resgate. Mas John Paul Getty Sr (papel de Plummer), considerado na época o homem mais rico do mundo, recusou-se a pagar os raptores. Por isso, para provar que falavam a sério, os criminosos chegaram a mandar para a família a orelha direita do jovem de 16 anos.

O elenco também destaca as participações de Mark Wahlberg (“O Dia do Atentado”) como Fletcher Chase, um ex-agente da CIA encarregado de tratar com os raptores, e Charlie Plummer (“O Jantar”) como o herdeiro sequestrado.

A estreia no Brasil está marcada para 25 de janeiro, com distribuição da Diamond Filmes.

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna

Back to site top
Change privacy settings