Fracasso de Valerian faz Luc Besson vender divisão televisiva francesa de seu estúdio



O fracasso de “Valerian e a Cidade dos Mil Planetas” deixou uma conta gigantesca para a EuropaCorp, empresa do cineasta Luc Besson, diretor do filme. Como se trata do primeiro filme europeu que custou mais de US$ 200M (milhões) e a bilheteria mundial ficou nesta faixa, com US$ 225M de arrecadação, a sangria financeira virou hemorragia, ameaçando a sobrevivência do estúdio.

Em seu balanço financeiro mais recente, a EuropaCorp registrou prejuízos de US$ 135M.



A solução encontrada foi a venda da divisão televisiva francesa da empresa. Tudo foi resolvido internamente, com o próprio diretor da EuropaCorp Television, Thomas Anargyros, adquirindo a companhia por US$ 13M. Os valores não resolvem os principais problemas, mas ajudam a contornar dificuldades iminentes e cortam gastos de manutenção estimados em US$ 3M anuais.

A venda inclui estúdios e direitos à produções francesas desenvolvidas pela EuropaCorp Television, como o thriller “No Limit” (2012), além das primeiras séries em inglês da companhia, como “Taxi Brooklyn” (2014) e “Flight of the Storks” (2012). Mas deixa intacta a divisão televisiva americana, que atualmente produz a série “Taken” e a recém-anunciada “The French Detective”.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings