Pressionado por críticas negativas, diretor confessa não ter filmado todo o roteiro de Boneco de Neve

O thriller “Boneco de Neve”, que estreou nesta sexta (20/10) nos Estados Unidos, está sendo considerado uma das grandes decepções do ano, com míseros 10% de aprovação no site Rotten Tomatoes. Pressionado pela rejeição, o diretor Tomas Alfredson resolveu contar numa entrevista porque o filme é tão ruim: ele que não conseguiu filmar o roteiro inteiro e tentou “dar um jeito” na edição. A culpa, segundo ele, foi do cronograma de filmagens.

“Nosso período de filmagens na Noruega foi muito curto. Não tínhamos ainda toda a história com a gente e quando começamos a editar percebemos que muita coisa ficou faltando. É como quando você está montando um quebra-cabeça e algumas peças estão faltando, então não dá para ver toda a imagem. A decisão de filmar aconteceu muito abruptamente – de repente tivemos a notícia de que tínhamos o dinheiro e poderíamos começar a filmar”, ele contou, em entrevista ao canal norueguês NRK.

Segundo as estimativas de Alfredson, faltou filmar cerca de 15% do roteiro. “Boneco de Neve” ainda estava em desenvolvimento quando Alfredson entrou a bordo e o roteiro não estava pronto no começo das filmagens.

Entretanto, o projeto era antigo no estúdio Universal e quase foi dirigido por Martin Scorsese, após “A Invenção de Hugo Cabret” (2011). O roteiro original tinha sido escrito por Matthew Michael Carnahan (“Guerra Mundial Z”), mas foi descartado por uma nova versão de Hossein Amini (“Drive”), Peter Straughan (que trabalhou com o diretor em “O Espião que Sabia Demais”) e Søren Sveistrup (criador da série “Forbrydelsen”, que rendeu o remake “The Killing”). Pelo que diz Alfredson, o trabalho dos roteiristas não tinha acabado quando os produtores decidiram iniciar as filmagens, provavelmente priorizando a agenda dos atores.

Para complicar, também foram tomadas decisões controvertidas, como filmar cenas em locais que não batem com a geografia real – por exemplo, estradas diferentes das citadas de forma explícita na história.

O filme é uma adaptação do romance homônimo de Jo Nesbø (“Headhunters”), considerado o grande mestre do suspense nórdico. Trata-se da sétima história de uma série literária dedicada ao detetive Harry Hole, papel interpretado por Michael Fassbender (“X-Men: Apocalipse”). Na trama, ele investiga o desaparecimento da mãe de um menino, que acaba revelando a atividade mórbida de um serial killer obcecado por degolar mulheres e usá-las em bonecos de neve mórbidos.

Curiosamente, a Universal tinha optado por um cineasta escandinavo para dar maior credibilidade ao projeto. O sueco Tomas Alfredson vinha de produções elogiadíssimas, como “Deixa Ela Entrar” (2008) e “O Espião que Sabia Demais” (2011). Além dele, a principal personagem feminina também é vivida por uma atriz sueca, Rebecca Ferguson (“Missão: Impossível – Nação Secreta”). Sem esquecer que entre os coadjuvantes está a estrela da série nórdica “Bron/Broen”, a sueca Sofia Helin.

O elenco ainda inclui Val Kilmer (“Tom Sawyer & Huckleberry Finn”), Chloë Sevigny (série “Bloodline”), J.K. Simmons (“Whiplash”), Jamie Clayton (série “Sense8”), a francesa Charlotte Gainsbourg (“Ninfomaníaca”) e os ingleses James D’Arcy (série “Agent Carter”) e Toby Jones (série “Wayward Pines”).

A estreia está marcada apenas para dezembro no Brasil.