Alien: Covenant já é sucesso internacional


“Alien: Covenant” ainda não estreou nos EUA, mas já é um sucesso internacional, com US$ 42 milhões arrecadados em 32 países. A sequência de “Prometheus” (2012) abriu em 1º lugar em 19 desses mercados, mas mesmo assim não superou o desempenho de “Guardiões da Galáxia Vol. 2”.

O filme da Marvel, que lidera as bilheterias dos EUA, está em sua terceira semana no exterior, rendendo US$ 52,2 milhões no mercado internacional. Ele já soma um total acumulado de 630,6 milhões mundiais.

Vale observar que o alcance da distribuição internacional do novo “Alien” não é tão grande quanto o do longa de super-heróis. Não houve, por exemplo, lançamento na China, no Japão, na Rússia e em vários países da Europa. O parâmetro é, na verdade, “Mad Max: Estrada da Fúria”, que “Alien: Covenant” superou em 4%.

A Coreia do Sul registrou o maior público para a sci-fi de Ridley Scott, com bilheteria de US$ 7,2 milhões, seguido pelo Reino Unido (US$ 6,4 milhões), França (4,5 milhões), Austrália (3,1 milhões) e México (2,5 milhões). No Brasil, o filme não foi tão bem, abrindo em 2º lugar (1,4 milhões).


Estas aberturas estão de acordo com as projeções da Fox, o que deve representar a continuidade da franquia, salvo um fracasso nos mercados em que a produção ainda não estreou, especialmente EUA, Canadá e China, onde estreia no fim desta semana.

“Rei Arthur: A Lenda da Espada” obteve pequenos avanços, após implodir nos EUA, mas não conseguiu mais que US$ 29,1 milhões. Apesar de abrir em 1º lugar em 29 países, o único mercado grande em que fez sucesso foi a Rússia. A China, que poderia compensar o fracasso norte-americano, não lhe deu maior importância, rendendo-lhe só US$ 5 milhões.

Está claro que o filme medieval dará um prejuízo épico para Warner e definitivamente não terá continuação.



Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna



Back to site top
Change privacy settings