Clarice ou Alguma Coisa sobre Nós

Festival de Tiradentes promove desencontro de gerações

A Mostra de Tiradentes inicia nesta sexta (22/1) promovendo um desencontro de gerações no interior de Minas Gerais. De um lado, os novos cineastas que o festival costuma lançar. Do outro, figuras conhecidas da vanguarda cinematográfica, como os diretores Julio Bressane, Walter Lima Jr., Maria Ramos, Helena Ignez e Ruy Guerra, representados no evento por novos lançamentos, além de Andrea Tonacci, o grande homenageado.

Único festival de cinema a propor tema, feito evento acadêmico, Tiradentes quer este ano discutir filmes como “Espaços de Conflitos”. Assim, a presença de cineastas consagrados, que fizeram da rebelião suas marcas autorais, alimentam a tese – literalmente, no caso do clássico “Serras da Desordem” (2006), de Tonacci. Mas a ideia de unificação temática tropeça no inchaço do evento, ampliado no ano passado, que pulveriza a capacidade do festival de apontar caminhos para o cinema brasileiro, compartimentalizando a produção.

As gerações diferentes, na prática, não se integram na programação inchada. Alguns veteranos são exibidos numa mostra chamada Autorais, como se todos os demais filmes do festival não fossem autorais. Há também uma sessão chamada Dissonâncias, que provavelmente exibe filmes comerciais, já que os autorais devem estar na seção, hmm, Autorais. As separações não fazem sentido e só servem para classificar os filmes por gerações – reunidas no mesmo evento para serem separadas em subdivisões.

A organização foi ao limite de criar um seção chamada Transições, visando separar os “pioneiros” que participaram de suas primeiras edições dos novíssimos candidatos que agora estreiam na mostra Aurora. Anteriormente tida como a principal seção do festival, a Aurora se acomodou como trampolim de iniciantes, enquanto a Transições passou a trazer um panorama mais consistente da produção independente nacional.

A principal consequência dessas subdivisões é que a Aurora virou um vestibular para credenciar cineastas jovens a participarem da Transições nos próximos anos. E para onde os que hoje ocupam a Transições irão? Ao mercado, com propostas autorais/dissonantes? Difícil. O espaço de conflito cinematográfico não é uma tese de festival universitário, é a realidade da concentração do circuito.

O potencial emblemático de Tiradentes, do nome ligado à independência brasileira às primeiras premiações da Aurora, embutia uma expectativa. A marca ainda é forte, as realizações foram palpáveis, mas a desvalorização em curso é preocupante, com os melhores filmes passando em seções paralelas à principal premiação. Basta considerar o vencedor da Aurora passada, a primeira pós-Transições. O que aconteceu com “Mais do que eu Possa me Reconhecer”, de Allan Ribeiro, que acompanha o artista plástico Darel Valença Lins em sua relação com a vídeo-arte?

Sempre é possível torcer para que os novatos da Aurora consigam decolar e que os ainda jovens da Transições encontrem outros festivais para participar. Mas um prêmio forte ajudaria a todos um pouco mais.

CONFIRA OS LONGAS-METRAGENS DA 19ª MOSTRA DE CINEMA DE TIRADENTES

MOSTRA HOMENAGEM: ANDREA TONACCI
Serras da Desordem (2006, SP)
Bang Bang (1970, SP)
Bláblábá (1968, SP)

MOSTRA AURORA
Animal Político, Tião (PE)
Aracati, Aline Portugal e Julia De Simone (RJ)
Banco Imobiliário, Miguel Antunes Ramos (SP)
Filme de Aborto, Lincoln Péricles (SP)
Índios Zoró – Antes, Agora e Depois?”, Luiz Paulino dos Santos (PE)
Jovens Infelizes ou Um Homem que Grita não é um Urso que Dança”, Thiago B. Mendonça (SP)
TaegoAwa, Marcela Borela e Henrique Borela (GO)

MOSTRA AUTORIAS
Através da Sombra, Walter Lima Jr (RJ)
Futuro Junho, Maria Augusta (RJ)
Quase Memória, Ruy Guerra (RJ)

TRANSIÇÕES
A Noite Escura da Alma, Henrique Dantas (BA)
Clarisse ou Alguma Coisa sobre Nós Dois, Petrus Cariry (CE)
Jonas, Lo Politi (SP)
Planeta Escarlate, Dellani Lima E Jonnata Doll (MG)
Tropykaos, Daniel Lisboa (BA)
Urutau, Bernardo Cancella Nabuco (RJ)

MOSTRA SESSÃO DEBATE
Garoto, Julio Bressane (RJ)
O Espelho, Rodrigo Lima (RJ)
Ralé, Helena Ignez (SP)
Um Salve Doutor, Rodrigo Sousa & Sousa (SP)

MOSTRA BENDITA
Being Boring, Lucas Ferraço Nassif (RJ)
O Diabo Mora Aqui, Dante Vescio E Rodrigo Gasparini (SP)

MOSTRA CENA MINEIRA
Introdução à Música do Sangue, Luiz Carlos Lacerda (MG/RJ)

MOSTRA PRAÇA
Campo Grande, Sandra Kogut (RJ)
Geraldinos, Pedro Asbeg E Renato Martins (RJ)
Invasores, Marcelo Toledo (SP)
Prova De Coragem, Roberto Gervitz (RS)
Santo Daime – Império Da Floresta, André Sampaio (PE)

MOSTRINHA
O Que Queremos Para o Mundo?, Igor Amin (MG)
Últimas Conversas,Eduardo Coutinho (RJ) ( a confirmar)
As aventuras do avião vermelho, Frederico Pinto e José Maia ( a confirmar)

FILME DE ENCERRAMENTO
Para Minha Amada Morta, Aly Muritiba (PR)