Próximo filme de Tarantino será produzido pela Sony

Próximo filme de Tarantino será produzido pela Sony

 

A Sony acabou vencendo a disputa para produzir o próximo filme de Quentin Tarantino. Todos os grandes estúdios, menos a Disney, se ofereceram para financiar e distribuir o longa-metragem, que se passará em 1969 e terá como pano de fundo os assassinatos cometidos pelos seguidores de Charles Manson.

A Warner chegou a preparar uma recepção especial para o diretor, com decoração temática dos anos 1960, durante a negociação. Mas a Sony jogou mais dinheiro na mesa para a produção, além de sua experiência como distribuidora internacional, para transformar o filme no mais bem-sucedido mundialmente de Tarantino.

A busca por um estúdio foi motivada pela decisão de Tarantino de romper com a produtora The Weinstein Company após as inúmeras acusações de assédio e abuso sexual contra seu proprietário Harvey Weinstein. Como resultado, seu próximo filme será o primeiro sem produção de Harvey Weinstein desde o começo de sua carreira, e o primeiro que ele coproduzirá desde “À Prova de Morte”, lançado há 10 anos.

Conhecido apenas como “IX”, já que será o nono filme dirigido por Tarantino e ainda não ganhou título oficial, o longa terá produção de Tarantino e David Heyman, produtor da franquia “Harry Potter” e “Animais Fantásticos”.

O orçamento não será barato, já que o cineasta quer dirigir um elenco classe A. A lista inclui Leonardo DiCaprio, com quem ele já trabalhou em “Django Livre” (2012), e Brad Pitt, protagonista de “Bastardos Inglórios” (2009), mas não pára nisso: Tom Cruise também estaria sendo considerado.

Para completar, Jennifer Lawrence e Margot Robbie são as favoritas para os papéis femininos.

Não existem maiores informações sobre que papéis este elenco dos sonhos desempenharia, embora fontes afirmem que Margot Robbie viveria a atriz Sharon Tate, esposa de Roman Polanski assassinada pelos seguidores de Manson. Mas, segundo o site Deadline, não há tantos personagens principais na trama, o que significa que, se todos concordassem, Tarantino teria que deixar alguém de fora.

Comente

Marcel Plasse é jornalista, participou da geração histórica da revista de música Bizz, editou as primeiras graphic novels lançadas no Brasil, criou a revista Set de cinema, foi crítico na Folha, Estadão e Valor Econômico, escreveu na Playboy, assinou colunas na Superinteressante e DVD News, produziu discos indies e é criador e editor do site Pipoca Moderna