Divulgação/Cosmopol Film

Diretor vencedor do Urso de Ouro é preso no Irã

As autoridades iranianas prenderam na sexta-feira (8/7) um dos cineastas mais importantes do país. O premiado diretor Mohammad Rasoulof foi detido junto com seu colega Mostafa Aleahmad por participar de protestos relacionados ao desabamento de um um prédio no sudoeste do país em maio, informou a agência estatal de noticias Irna.

O edifício Metropol, que estava em construção em Abadan, uma das principais cidades da província de Khuzestan, sudoeste do país, desabou parcialmente em uma rua muito movimentada.

A tragédia provocou vários protestos no país em solidariedade com as famílias das vítimas e contra as autoridades, acusadas de corrupção e incompetência.

Durante as manifestações, a polícia iraniana usou gás lacrimogêneo, deu tiros de advertência e anunciou detenções.

Muitos iranianos pediram o julgamento dos responsáveis pela tragédia. Em vez disso, a polícia do país foi atrás de quem protestou.

Rasoulof e Aleahmad foram presos por “incitar distúrbios e perturbar a segurança psicológica da sociedade”, segundo a IRNA. Os produtores iranianos de seus filmes divulgaram um alerta, transmitido pela distribuidora americana Kino Lorber, de que os dois cineastas foram enviados para detenção em um local desconhecido.

Reconhecido mundialmente por seu talento artístico, Rasulof venceu o Urso de Ouro do Festival de Berlim em 2020 pelo filme “Não Há Mal Algum”, mas já na época sofreu consequências da repressão do país, que não lhe permitiu viajar à Alemanha para participar do evento.

Rasulof teve seu passaporte confiscado depois do lançamento de seu filme anterior, “Um Homem Íntegro”, em 2017, exibido no Festival de Cannes, onde também foi premiado – venceu a mostra Um Certo Olhar.

Ele também encontra-se proibido de fazer filmes, porque estaria usando o cinema para fazer “propaganda contra o sistema”.

“Não Há Mal Algum” acompanhava quatro histórias que questionavam até que ponto a liberdade individual poderia ser expressa sob um regime despótico e suas ameaças aparentemente inescapáveis. O “sistema” iraniano deu a resposta na prática.