Divulgação/Marvel

“Ms. Marvel” recebe endosso de Malala, mais jovem vencedora do Nobel da Paz

As redes sociais de “Ms. Marvel” publicaram a carta de uma fã especial, que descreveu como adorou e ficou encantada com o primeiro episódio da produção, lançado nesta quarta-feira (8/6). O endosso é de ninguém menos que Malala Yousafzay, que aos 17 anos se tornou a pessoa mais jovem a receber o Prêmio Nobel da Paz por sua luta pelo direito à educação de meninas paquistanesas.

“Não é todo dia que ligo a TV e encontro um personagem que come as mesmas comidas, ouve as mesmas músicas ou usa as mesmas frases em urdu que eu”, disse Malala em sua carta. “Que alegria ver que ‘Ms. Marvel’ reflete a vida de uma família imigrante paquistanesa e revela uma jovem super-heroína cujos poderes se conectam à sua herança. Obrigado, Marvel e Disney+, e o mais importante, Ms. Marvel”.

Em seu blog pessoal, Malala ainda publicou uma análise da série, afirmando que “ao longo dos primeiros episódios de ‘Ms. Marvel’ (sim, pude vê-los antes), fiquei impressionada como a vida de Kamala Khan me parecia familiar. Ela conversa com seus amigos sobre o ator bollywoodiano Shah Rukh Khan, ouve músicas pop paquistanesas e come biryani de frango com sua família. E suspeito que muitas crianças paquistanesas verão seus próprios pais no pai genial e na mãe rigorosa de Kamala”.

Malala também traçou uma breve biografia de Sana Amanat, co-criadora de Kamala e produtora da série, afirmando que a artista está dando aos fãs muçulmanos de quadrinhos uma representatividade que ela não conheceu na infância.

A primeira heroína muçulmana do MCU (Universo Cinematográfico da Marvel) também é a mais fofa e adorável. Sem supervilões e ameaças mundiais, “Ms. Marvel” chegou na Disney+ como uma grande homenagem aos fãs dos super-heróis, dando a Iman Vellani, a novata de 18 anos que foi selecionada entre várias candidatas, o papel de fangirl definitiva.

Na trama, Kamala Khan é uma adolescente geek obcecada pela Capitã Marvel, que sofre bullying na escola e repressão na família muçulmana tradicional, mas não abre mão de seus sonhos, mostrando enorme talento artístico para desenhar, criar vídeos e até fantasias de cosplay. Para incrementar uma dessas fantasias, ela decide usar um velho bracelete largado entre as lembranças encaixotadas de sua família, que de repente lhe confere superpoderes.

Desenvolvida pela roteirista Bisha K. Ali (“Sex Education”), a produção conta com direção da dupla Adil El Arbi e Bilall Fallah (diretores do blockbuster “Bad Boys Para Sempre” e do vindouro filme da “Batgirl”), da paquistanesa Sharmeen Obaid-Chinoy (vencedora de dois Oscars de Melhor Documentário em Curta-metragem) e Meera Menon (que já trabalhou na Marvel na série “O Justiceiro”).

Novos episódios são disponibilizados todas as quartas na plataforma Disney+.