Divulgação/Netflix

Kevin Spacey é indiciado após novas acusações de abuso sexual

No momento em que tentava retomar sua carreira, com seus primeiros trabalhos após as acusações de abuso sexual de 2017, o ator americano Kevin Spacey foi novamente indiciado pelo Serviço de Procuradoria da Coroa britânica (CPS, na sigla em inglês).

A investigação da Polícia Metropolitana de Londres começou em 2017, quando as primeiras denúncias surgiram, e após longas diligências viraram processo criminal nesta quinta-feira (26/5).

O ator de 62 anos teria agredido três homens entre 2005 e 2013 em Londres e Gloucestershire, um deles duas vezes, além de envolver “atividade sexual com penetração sem consentimento”, afirmou Rosemary Ainslie, chefe da Divisão de Crimes Especiais do CPS.

Um homem na faixa dos 40 anos afirmou ter sido agredido sexualmente por Spacey duas vezes em março de 2005. Outro homem, com cerca de 30 anos, disse que o crime contra ele ocorreu em agosto de 2008. Ambas situações teriam ocorrido em Londres. Já a vítima de Gloucestershire, também na casa dos 30 anos, contou que o abuso sexual contra ele foi cometido em abril de 2013.

Com as novas queixas, passam de 20 as denúncias de homens que acusam Spacey de assédio, abuso e agressão sexual no período entre 1995 e 2013. Durante este tempo, muitos dos acusadores eram menores de idade, como o primeiro denunciante, o ator Anthony Rapp (“Star Trek: Discovery”), que, ao acusar publicamente Spacey, deu início a uma mudança vertiginosa na carreira do vencedor de dois Oscars (por “Os Suspeitos” e “Beleza Americana”).

Após as primeiras denúncias, Spacey foi prontamente demitido da série “House of Cards”, com integrantes da produção se juntando às acusações de assédio, e teve um filme pronto como protagonista arquivado pela Netflix. A plataforma preferiu perder o dinheiro a lançar outra obra estrelada por ele.

Além disso, o diretor Ridley Scott fez questão de refilmar “Todo o Dinheiro do Mundo” para retirar o ator do longa, que já estava finalizado quando o escândalo estourou. Ele foi substituído por Christopher Plummer, que chegou a ser indicado ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante pelo desempenho.

Mas Spacey também teve muita sorte. Dois acusadores que o processaram morreram antes de seus casos chegarem nos tribunais. O escritor norueguês Ari Behn, ex-marido da princesa da Noruega, cometeu suicídio no Natal de 2019, três meses após um massagista que acusava o ator falecer subitamente.

Para completar, o ator teve outro processo, movido por um rapaz que tinha 18 anos na época do assédio, retirado abruptamente na véspera de ir a julgamento.

Graças à falta de condenação, Spacey conseguiu voltar a atuar. Ele participou de um filme italiano, “L’Uomo che Disegnò Diò”, dirigido e estrelado pelo astro Franco Nero, e interpretou um vilão no filme de baixo orçamento “Peter Five Eight”, que foi levado ao Marché du Film, o mercado de negócios do Festival de Cannes, para conseguir distribuidores internacionais.

As novas denúncias devem manter estes filmes inéditos, ou ao menos guardados por um bom tempo.