Divulgação/Apple TV+

10 estreias de séries pra começar a acompanhar

A lista de estreias de séries da semana vai do drama de época à sci-fi futurista, de história real à fantasia romântica, de comédia premiada à tramas criminais. Em outras palavras, opções para todos os gostos.

Confira abaixo os 10 melhores lançamentos para começar a acompanhar, com seus respectivos trailers.

 

 

| A SERPENTE DE ESSEX | APPLE TV+

 

A intrigante minissérie estrelada por Tom Hiddleston (o Loki da Marvel) e Claire Danes (“Homeland”) é baseada no romance “A Serpente do Essex”, de Sarah Perry, vencedor do prêmio de Livro do Ano de 2016 no Reino Unido.

A trama gira em torno de Cora, a personagem de Danes, que, ao se tornar viúva e encerrar um casamento abusivo na Londres vitoriana, muda-se com o filho para o pequeno vilarejo de Aldwinter em Essex. Ao chegar lá, fica intrigada com uma superstição local sobre uma criatura mítica, conhecida como a serpente de Essex, que assombraria a região. Naturalista amadora sem interesse por superstições ou questões religiosas, ela se empolga com a ideia de que a tal criatura sobrenatural possa, na realidade, ser uma espécie animal ainda não descoberta.

Hiddleston interpreta Will Ransome, o líder religioso local, que tenta equilibrar sua fé com racionalidade e uma inescapável atração pela naturalista ateia quando toda a comunidade se volta contra ela, culpando sua descrença por tudo de ruim que começa a acontecer – inclusive o comportamento bizarro das crianças “afetadas” pela serpente.

 

 

| HACKS | HBO MAX

 

Rara série com 100% de aprovação da crítica no Rotten Tomatoes, “Hacks” venceu três prêmios Emmy em sua temporada inaugural – Melhor Roteiro, Direção e Atriz. Criação de Paul W. Downs, Lucia Aniello e Jen Statsky, todos roteiristas de “Broad City”, e atração traz Jean Smart (“Watchmen”) como uma lendária comediante de Las Vegas. Enfrentando a decadência e a falta de humor, ela se vê compelida a contratar uma jovem estrela da internet para lhe escrever novas piadas, mas as duas se odeiam à primeira vista, até perceberem que o desprezo de uma pela outra é o ingrediente ideal para uma boa parceria.

A “estagiária” do humor é interpretada pela novata Hannah Einbinder.

Além de co-escrever e co-produzir a série, Aniello também dirige e Downs integra o elenco da atração – que ainda inclui Carl Clemons-Hopkins (“Chicago Med”), Kaitlin Olson (“It’s Always Sunny in Philadelphia”), Christopher McDonald (“Professor Iglesias”), Mark Indelicato (“Ugly Betty”), Poppy Liu (“Sunnyside”), Johnny Sibilly (“Pose”), Meg Stalter (“The Megan Stalter Show”) e Rose Abdoo (“Duas Tias Loucas de Férias”).

 

 

| MADE FOR LOVE | HBO MAX

 

Baseada no romance homônimo da criadora Alissa Nutting (“False Positive”), a comédia sci-fi com 94% de aprovação no Rotten Tomatoes gira em torno de um casal, Byron e Hazel, que inaugura uma tecnologia capaz de compartilhar pensamentos e manifestá-los com imagens realistas. Tudo parece ir bem, até que Hazel resolve pedir o divórcio. E isso cria um problema crucial: o que fazer com o chip caríssimo e invasivo implantado em seu cérebro?

Após escapar do controle do marido megalômano, a 2ª temporada acompanha Hazel provisoriamente de volta ao “lar”, para que Byron use sua tecnologia revolucionária no pai dela, que sofre com câncer terminal.

Os personagens são vividos por Cristin Milioti (“Black Mirror”) e Billy Magnussen (“A Noite do Jogo”), além de Ray Romano (“O Irlandês”) como o pai viúvo de Hazel, que mora com uma “garota sintética”.

 

 

| SUPER PUMPED: THE BATTLE FOR UBER | PARAMOUNT+

 

A série conta a história da ascensão meteórica do Uber e de seu fundador, Travis Kalanick, um gênio valentão que foi expulso da própria companhia em meio a alegações de assédio sexual e criação de ambiente tóxico.

Joseph Gordon-Levitt (“Os 7 de Chicago”) vive o polêmico Kalanick e o elenco ainda destaca Uma Thurman (“Kill Bill”) como a jornalista Ariana Huffington, fundadora do site The Huffington Post, e Kyle Chandler (“Godzilla vs. Kong”) como Bill Gurley, mentor e parceiro de Travis na diretoria do Uber.

“Super Pumped” é uma criação de Brian Koppelman e David Levien (criadores de “Billions”) em parceria com Beth Schacter (consultora em “Billions”), e eles pretendem trazer uma história diferente sobre empreendedores e seus negócios visionários a cada nova temporada.

 

 

| O PODER E A LEI | NETFLIX

 

A nova série jurídica da Netflix é baseada nos livros de Michael Connelly sobre o advogado Michael “Mickey” Haller, cujo escritório é o banco traseiro de seu carro da marca Lincoln, onde atende clientes de todos os tipos. Com a morte de um colega, ele acaba assumindo um caso midiático: a defesa de um executivo de Hollywood acusado, à lá OJ Simpson, de matar a própria esposa e o amante dela.

Um detalhe interessante sobre o título original da atração (“The Lincoln Lawyer”) é que ele é o mesmo do primeiro livro da franquia de Connelly (lançado aqui como “Advogado de Porta de Cadeia”) e já levado às telas num filme de 2011 batizado de “O Poder e a Lei” no Brasil. Só que a série começa com a adaptação do segundo volume, “O Veredicto de Chumbo”.

E aí entra outra curiosidade: a trama literária de “O Veredicto de Chumbo” também inclui o detetive da polícia de Los Angeles Hieronymus “Harry” Bosch, que precisou ser “substituído” por um personagem genérico na produção por ter sua própria série na Amazon (veja a seguir). Esta nem é a única mudança da adaptação, que também trocou sexo e raça de alguns personagens, inclusive do próprio Mick Haller.

Interpretado por Matthew McConaughey no cinema, na versão da Netflix ele é vivido pelo mexicano Manuel Garcia-Rulfo (“Esquadrão 6”). O elenco ainda destaca Neve Campbell (“Pânico”) como sua primeira ex-esposa, uma promotora obstinada, Krista Warner (“Priorities”) como a filha pré-adolescente do casal e Christopher Gorham (“Internal Affairs”) como o suspeito da temporada.

A produção é assinada por David E. Kelley, o prolífico produtor-roteirista que criou “Big Little Lies”, “The Undoing”, “Big Sky”, “Nove Desconhecidos” e a recém-lançada “Anatomia de um Escândalo”, entre muitas outras séries.

 

 

| BOSCH: LEGACY | AMAZON PRIME VIDEO

 

A Amazon encerrou a série policial “Bosch” no ano passado, após sete temporadas bem-avaliadas pela crítica – média de 97% de aprovação no Rotten Tomatoes. Mas a trajetória do personagem-título ainda está longe de se encerrar. Harry Bosch continua bastante ativo nesta atração que, apesar de apresentada como spin-off, é uma sequência direta, praticamente uma 8ª temporada da série original.

O único diferencial é que o personagem criado nos livros de Michael Connelly – com mais de 50 milhões de exemplares vendidos – não é mais um detetive policial, devido aos desdobramentos da trama anterior. Agora como detetive particular, ele se vê numa situação completamente diferente, sem as amarras da lei e trabalhando com uma antiga inimiga, Honey Chandler.

Já renovada para a 2ª temporada, a produção foi desenvolvida por Tom Bernardo (um dos roteiristas de “Bosch”) e volta a trazer Titus Welliver (de “Lost”) como protagonista, além de Madison Lintz (“The Walking Dead”) como sua filha e Mimi Rogers (“Austin Powers”) como a ex-antagonista transformada em aliada.

 

 

| IRMANDADE | NETFLIX

 

Lançada em outubro de 2019, “Irmandade” retorna com novos episódios sobre o submundo de uma facção criminosa. A narrativa é contada pelo ponto de vista de dois irmãos que vivem em realidades muito diferentes e ao mesmo tempo bem próximas. A advogada Cristina (Naruna Costa, de “Rotas do Ódio”) é pressionada a se reaproximar do irmão Edson (Seu Jorge, de “Marighella”), líder encarcerado da Irmandade, para virar informante da polícia. Mas conforme se infiltra na facção, começa a questionar seus próprios valores sobre a lei e a justiça, e entra em contato com um lado sombrio de si mesma que não imaginava ter.

Na 2ª temporada, ela vai ter mais claro de qual lado está, invertendo seu papel inicial.

A série tem produção da 02, foi criada pelo cineasta Pedro Morelli (“Zoom”), conta com Felipe Sant’Angelo (“Pedro e Bianca”) como roteirista-chefe e seu elenco também destaca Lee Taylor (“O Mecanismo”) e Hermila Guedes (“Segunda Chamada”).

 

 

| A MULHER DO VIAJANTE NO TEMPO | HBO MAX

 

Adaptação do romance homônimo de Audrey Niffenegger, a sci-fi romântica traz Rose Leslie (a Ygritte de “Game of Thrones”) e Theo James (o Four de “Divergente”) como um casal com problemas de tempo em seu casamento.

A série acompanha a história de Clare (Leslie), que durante a maior parte de sua vida guardou um segredo. Desde os seis anos de idade, ela vê um homem estranho, às vezes velho, outras jovem, surgir do nada para lhe contar histórias do futuro. Só depois de se tornar adulta é que ela descobriu que seu amigo não era imaginário. Ele era seu próprio futuro, já que anos despois Clare se tornou a esposa do viajante no tempo.

Se a história parece conhecida é porque “A Mulher do Viajante no Tempo” já virou filme em 2009, com Eric Bana e Rachel McAdams nos papéis principais – a maior dificuldade para lembrar disso é que o longa foi batizado de “Te Amarei para Sempre” no Brasil.

Desenvolvida pelo produtor-roteirista britânico Steven Moffat, ex-showrunner de “Doctor Who” e criador de “Sherlock”, a série tem apenas seis episódios em sua 1ª temporada.

 

 

| THE KIDS IN THE HALL | AMAZON PRIME VIDEO

 

O cultuado programa canadense de esquetes dos anos 1990, considerado o mais punk do humor televisivo, retorna numa nova temporada de oito episódios e muitas piadas inéditas, tão afiado como na época em que os humoristas eram kids de verdade – lá se vão 27 anos.

Junto do quinteto original de comediantes (Dave Foley, Bruce McCulloch, Kevin McDonald, Mark McKinney e Scott Thompson), a atração reúne vários convidados famosos, incluindo os atores Jay Baruchel (“Os Brutamontes”), Catherine O’Hara (“Schitt’s Creek”), Mark Hamill (“Star Wars”), Kenan Thompson (“Kenan”), Pete Davidson (“A Arte de Ser Adulto”) e Will Forte (“O Último Cara da Terra”). A produção do revival é de Lorne Michaels, o mentor do humorístico americano “Saturday Night Live”.

 

 

| BIRDGIRL | HBO MAX

 

A série animada do Adult Swim é uma reciclagem adulta de personagens dos anos 1960 da produtora Hanna-Barbera. Com tom surreal, a trama acompanha as modernas aventuras empresariais da Birdgirl (ou Garota Pássaro), personagem supercoadjuvante, introduzida num episódio de 1967 do desenho do “Homem-Pássaro” (Birdman). O visual é o mesmo da época, concebido pelo mestre Alex Toth, que também criou Space Ghost e, claro, o Homem-Pássaro.

Quase esquecida, a heroína Birdgirl foi resgatada numa das primeiras paródias do Adult Swim, “Harvey, o Advogado” (Harvey Birdman, Attorney at Law), lançada em 2000, que mostrava o Homem-Pássaro como advogado. “Birdgirl” é um spin-off daquela série, que acompanha Judy Ken Sebben, a Birdgirl, após assumir o controle da empresa de seu falecido pai.

Só que o trabalho de CEO se transforma numa luta contra o mal. Isto porque a empresa que ela assume tem uma agenda maligna, obtendo seu lucro de desmatamento de florestas e de altas tarifas de hospitais infantis. Diante do problema, Birdgirl resolve juntar um novo grupo de super-heróis para enfrentar sua mais importante missão: acabar com tudo o que a torna rica.

Já renovada para a 2ª temporada, a série foi desenvolvida por Erik Ritcher e Michael Ouweleen, criadores de “Harvey, o Advogado”, e destaca um trabalho brilhante de Paget Brewster (a Emily Prentiss de “Criminal Minds”) como a voz da heroína.