Unsplash/David Balev

Netflix perde US$ 54 bilhões em 24 horas

Um dia após revelar ter perdido 200 mil assinantes no trimestre passado e esperar perder mais 2 milhões no atual, a Netflix sofreu uma desvalorização brutal na bolsa de Nova York, registrando uma queda de 35% nas negociações desta quarta (20/4). Ao fim do dia, a empresa viu evaporar nada menos que US$ 54 bilhões em seu valor de mercado.

O tombo financeiro marca o fim da longa lua de mel da empresa com os investidores. William Ackman, bilionário que comprou mais de 3 milhões de ações da Netflix em janeiro, revelou ter vendido toda sua participação com prejuízo. Em uma carta aos investidores, ele assumiu uma perda de cerca de US$ 400 milhões.

Em janeiro, Ackman dizia que a Netflix ostentava uma “avaliação atraente”. Nesta quarta-feira, escreveu: “Perdemos a confiança em nossa capacidade de prever as perspectivas futuras da empresa”.

Confrontada com a estagnação, após um histórico de crescimento – e endividamento – constante, a Netflix adiantou ao mercado duas alternativas para reverter o quadro: cobrar pelo compartilhamento de senhas e oferecer uma alternativa de assinatura mais barata, compensada pela exibição de comerciais publicitários.

As propostas não foram acompanhadas por muitos detalhes, o que deixou o mercado nervoso diante dos problemas que podem causar no modelo financeiro atual da empresa – especialmente por a Netflix sempre ter se orgulhado de oferecer um serviço sem anúncios.

A crise também deve se estender a outras plataformas, ao estabelecer que o total de assinantes da Netflix, atualmente 220 milhões, é o teto para o crescimento mundial do streaming.

Não por acaso, as ações da Paramount Global caíram mais de 11%, a Warner Bros Discovery desvalorizou em cerca de 6% e a Disney em cerca de 4%.

Além do compartilhamento de senhas, a Netflix culpa a lenta adoção de Smart TVs e da tecnologia 5G, a crise financeira e a inflação que acompanharam pandemia como razões de seu encolhimento no mercado.