Divulgação/Warner Bros.

“Animais Fantásticos 3” estreia com US$ 58 milhões em todo o mundo

“Animais Fantásticos: Os Segredos de Dumbledore” estreou no mercado internacional com US$ 58 milhões em seu primeiro fim de semana de exibição em 22 países.

A produção da Warner Bros., que chega na quinta-feira (14/4) ao Brasil, um dia antes do lançamento nos EUA, teve seu faturamento inaugural puxado pelo mercado chinês, onde rendeu US$ 10 milhões.

O valor representa um declínio notável em relação aos antecessores da franquia na China, mas contabiliza o fechamento de metade do parque exibidor do país devido a uma nova onda de covid-19. Em comparação, “Animais Fantásticos e Onde Habitam” de 2016 começou com US$ 40 milhões e “Os Crimes de Grindelwald” estreou com US$ 36 milhões na China.

As demais bilheterias de destaque incluem a Alemanha com US$ 9,4 milhões, o Japão com US$ 8,6 milhões, o Reino Unido com US$ 8 milhões e a Austrália com US$ 3,9 milhões.

O filme anterior, “Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald”, arrecadou US$ 191 milhões em sua estreia internacional de 2018.

Dirigido pelo veterano de “Harry Potter” David Yates, “Os Segredos de Dumbledore” tem um orçamento de US$ 200 milhões e precisa fazer ao menos o que o filme anterior rendeu para se pagar.

Apesar da popularidade em torno de “Harry Potter”, a saga de “Animais Fantásticos”, escrita pela criadora do bruxinho, JK Rowling, como prólogo de seu universo mágico, não foi capaz de recapturar a mesma magia nas bilheterias. “Animais Fantásticos e Onde Habitam” foi um sucesso comercial, gerando mais de US$ 800 milhões nas bilheterias globais. No entanto, a continuação caiu para US$ 654 milhões em todo o mundo, a menor venda de ingressos para um filme baseado em criações de Rowling.

Embora US$ 650 milhões não seja pouco, o investimento em novas continuações pode ser reconsiderado se “Os Segredos de Dumbledore” ficar abaixo disso.

Para complicar, as críticas à produção não foram as mais positivas – soma atualmente 59% de aprovação no portal Rotten Tomatoes com 90 resenhas avaliadas.

Uma das críticas mais incisivas foi publicada pelo site The Daily Beast, que foi taxativo ao declarar que “essa exploração superficial de propriedade intelectual é um lembrete de que todas as coisas boas chegam ao fim”.