Divulgação/Warner Bros.

“Animais Fantásticos 3” desaba nas bilheterias dos EUA

As bilheterias deste fim de semana na América do Norte não foram animadoras para nenhum filme. Mas para um título em particular, os números se traduziram nas piores notícias possíveis.

Mais de um mês depois de estrear no Brasil, “Os Caras Malvados” finalmente chegou aos EUA para liderar o fim de semana no país, faturando cerca de US$ 24 milhões, de acordo com a Comscore.

Apesar dessa liderança, o novo desenho da DreamWorks Animation, que custou US$ 80 milhões, não é exatamente um sucesso. A trama dos animais vilões de fábulas que tentam fazer o bem só faturou US$ 63,1 milhão em seu lançamento antecipado no exterior, para atingir um total mundial de US$ 87,1 milhões.

“Sonic 2: O Filme” manteve-se em 2º lugar nos EUA e Canadá, com estimados US$ 15,2 milhões, para chegar num total doméstico de US$ 145,8 milhões após três semanas. Em todo o mundo, a adaptação de videogame orçada em US$ 110 milhões já soma US$ 287,2 milhões.

Com isso, “Animais Fantásticos: Os Segredos de Dumbledore” caiu do 1º para o 3º lugar no segundo fim de semana de exibição. A superprodução de US$ 200 milhões da Warner Bros. perdeu 67% do público após chegar nos cinemas norte-americanos e fez apenas US$ 14 milhões nos últimos três dias em 4.245 telas.

Os números do mercado domésticos dão a dimensão do prejuízo representado pelo filme. Ao todo, a Warner Bros. contabiliza US$ 67,1 milhões na América do Norte, mas metade do faturamento fica com os donos dos cinemas e ainda há taxas.

A produção está se saindo melhor no exterior, onde soma US$ 213,2 milhões para um total global de US$ 280,3 milhões. Para situar o leitor, o ponto de equilíbrio da fantasia infantil gira em torno de US$ 600 milhões.

Diante deste desempenho, é possível afirmar que a franquia que servia de prólogo para “Harry Potter” não concluirá sua trajetória projetada para cinco filmes. Nem terá quatro filmes.

O Top 5 se completa com duas estreias.

O épico viking “O Homem do Norte” abriu em 4º lugar com US$ 12 milhões. Elogiado pela crítica, com 89% de aprovação no Rotten Tomatoes, o longa é o mais caro da carreira do ex-indie Robert Eggers (diretor de “A Bruxa” e “O Farol”), com um orçamento entre US$ 70 e 90 milhões. Por isso, vai precisar desempenhar muito bem no exterior para compensar seu investimento.

Por enquanto, o faturamento internacional é de US$ 11 milhões para uma receita global de US$ 23,5 milhões. Entretanto, o filme estrelado por Alexander Skarsgård, Anya Taylor-Joy, Ethan Hawke, Nicole Kidman, Willem Dafoe e a cantora Björk ainda não chegou em muitos países. No Brasil, o lançamento está marcado para 12 de maio.

“O Peso do Talento” fecha o Top 5 com US$ 7,2 milhões, mas é a produção mais barata da lista. Custou só US$ 30 milhões.

Com Nicolas Cage interpretando uma versão exagerada de si mesmo, o longa faturou US$ 2,4 milhões no exterior e está com um total de US$ 9,6 milhões. Também tem 89% de aprovação no Rotten Tomatoes e também estreia no Brasil em 12 de maio.