Divulgação/Warner Bros.

Nova Mulher-Gato revela rejeição em outro “Batman” por ser negra

A atriz Zoë Kravitz, que interpreta a nova Mulher-Gato em “Batman”, revelou que já foi vetada da franquia em um filme anterior por ser uma “pessoa de cor” – POC (person of color) é uma expressão utilizada nos EUA para definir todos não brancos.

Em entrevista ao The Guardian, ela contou que tentou uma vaga no filme “Batman – O Cavaleiro das Trevas” (2012), dirigido por Christopher Nolan, mas foi rejeitada devido ao fato de ser negra. A atriz ressalta não ter certeza se a negativa veio diretamente do cineasta ou de algum outro responsável pela produção.

“Eu não sei se veio diretamente do Chris Nolan. Acho que provavelmente foi um diretor de elenco, ou um assistente do diretor de elenco… Mas sendo uma mulher e uma atriz negra e ouvir, na época, que eu não funcionaria por ser uma pessoa de cor, e a palavra ‘urbana’ sendo jogada daquela maneira, aquilo deixou o momento bem difícil”, declarou.

A atriz não deixou claro se tentava justamente o papel de Mulher-Gato na época, que acabou sendo interpretado por Anne Hathaway. A outra personagem feminina relativamente importante da trama era Miranda/Talia al Ghul, vivida pela francesa Marion Cotillard.

Zoë Kravitz tem sido muito elogiada por seu papel em “Batman”, principalmente pela química que demonstra com Robert Pattinson, intérprete do herói, nas cenas em que ambos interagem.

Ela não foi a primeira atriz negra a interpretar a Mulher-Gato. A primazia coube à Ertha Kitt em 1967, na série televisiva estrelada por Adam West. Halle Berry também estrelou o papel-título de “Mulher-Gato” em 2004, e elogiou nas redes sociais a escolha de Kravitz para o novo filme.

Com direção de Matt Reeves, “Batman” estreou no último fim de semana e já faturou US$ 248,5 milhões em todo o mundo, liderando as bilheterias na maioria dos países em que foi lançado – inclusive no Brasil, onde levou 2,2 milhões de espectadores às salas de exibição.