Divulgação/Globo

Globo demite diretor de “Nos Tempos do Imperador” após acusações de racismo

O diretor artístico da novela “Nos Tempos do Imperador”, Vinicius Coimbra, foi demitido pela rede Globo na sexta (11/3). Segundo informou o advogado do diretor, Davi Tangerino, ele foi desligado da empresa sob o argumento de que praticou assédio moral.

Informações vazadas para a imprensa indicam que o profissional foi acusado de racismo por três atrizes da novela. Ele e sua equipe teriam se manifestado com falas preconceituosas no ambiente de trabalho e promovido segregação entre os atores que faziam parte do elenco da trama, separando pessoas brancas e negras do elenco, inclusive nos camarins.

As queixas chegaram ao compliance da emissora, que abriu um procedimento. Ele já foi notificado da decisão.

Ao jornal Folha de S. Paulo, que buscou uma posição oficial sobre o fim da relação profissional, a Globo respondeu que não expõe apurações de sua ouvidoria “em razão do sigilo garantido a todos os colaboradores em seu código de ética” e que, por isso, não vai se manifestar sobre a demissão.

Ao mesmo tempo, a nota enviada ao jornal fala em “preconceito racial”.

“Preconceito racial é uma prática não tolerada pela Globo. Mas reconhecemos que, como ocorre em todos os segmentos da sociedade, há muito a avançar no caminho da diversidade, para além das rigorosas regras de compliance que praticamos no nosso dia a dia a esse respeito”, disse a empresa por comunicado.

“Em relação à novela ‘Nos Tempos do Imperador’, a empresa acredita que poderia ter adotado precauções extras para abordar a temática racial, nas diversas dimensões que a produção exigia”, acrescenta a emissora.

Vinicius Coimbra também se manifestou por meio de nota. “Nas últimas semanas, muito foi dito a meu respeito. Por isso, agradeço àqueles que prezaram por uma apuração responsável dos fatos, sem atribuir a mim atitudes que não condizem com a minha índole, minha história ou que não são da minha competência”, diz o texto.

“Como homem branco, porém, reconheço minha responsabilidade por atitudes que reproduzem privilégios. Eu sinceramente não gostaria que isso tivesse acontecido e estou empenhado para que não se repita. Desculpei-me à época e me desculpo novamente. Reafirmo meu profundo respeito pelo elenco da novela. Quero poder contribuir para juntos repararmos esta situação e construirmos um futuro melhor”, completa.

Logo após sua estreia, em agosto de 2021, a novela escrita por Falcão e ​Alessandro Marson sobre os tempos do Brasil imperial foi criticada por “romantizar a escravidão” e apresentar erros factuais.

Vinicius Coimbra deixou de lado uma carreira cinematográfica premiada para se tornar um diretor especializado em novelas de época da Globo. Ele também dirigiu episódios de “Liberdade, Liberdade”, sobre uma filha de Tiradentes, e “Novo Mundo”, também passada na época do império.

Ele também faria a próxima novela das seis “Mar do Sertão”, mas durante as investigações internas (em fevereiro) foi substituído por Allan Fiterman, diretor de “Quanto Mais Vida, Melhor”.

Leia abaixo a íntegra da longa nota da Globo:

“Sobre a sua consulta e em relação a notícias recentes a respeito de denúncias envolvendo a novela ‘Nos Tempos do Imperador’, a Globo reitera que não expõe apurações de relatos recebidos por sua ouvidoria, em razão do sigilo garantido a todos os colaboradores em seu código de ética e que, por isso, não vai se manifestar sobre o assunto.

Preconceito racial é uma prática não tolerada pela Globo. A fim de manter seu ambiente corporativo livre de discriminação, a empresa conta com um sistema de compliance atuante, com treinamentos de conscientização frequentes de seus colaboradores e um código de ética que proíbe a discriminação e pune severamente as violações apuradas.

Mas reconhecemos que, como ocorre em todos os segmentos da sociedade, há muito a avançar no caminho da diversidade, para além das rigorosas regras de compliance que praticamos no nosso dia a dia a esse respeito. Em relação à novela ‘Nos Tempos do Imperador’, a empresa acredita que poderia ter adotado precauções extras para abordar a temática racial, nas diversas dimensões que a produção exigia. Nesse sentido, foram identificadas oportunidades de aperfeiçoar nossos processos internos para tratar adequadamente esta e outras temáticas sensíveis, garantindo que sua abordagem contribua para o avanço no caminho da diversidade, preservando a sensibilidade do público e de nossos colaboradores.

Este processo contínuo em busca de oportunidades de melhoria é possível em virtude da crença da Globo no permanente diálogo e na criação de mecanismos para intensificá-lo, especialmente com seus colaboradores, que desde o ano passado estão engajados em treinamentos específicos sobre Diversidade e Inclusão e em grupos de afinidades de mulheres, negros e negras, LGBTQIA+ e pessoas com deficiência para a promoção de ambientes cada vez mais inclusivos e representativos. Através de iniciativas como essas, conduzidas pela área de Diversidade e Inclusão, criada em 2020, e que fazem parte da ampla política de diversidade da empresa, a Globo avança e aperfeiçoa seus processos internos, atenta sempre para as legítimas demandas que se apresentam, sem perder o foco nos princípios que constituem a sua essência.”