Divulgação/Disney

Participação de Luke Skywalker em “O Livro de Boba Fett” foi deep fake oficial

A aparição de Luke Skywalker no sexto episódio de “O Livro de Boba Fett” não contou com a participação de Mark Hamill, apesar de o ator ter sido creditado no episódio.

O personagem foi “recriado” fisicamente com o auxílio de um dublê chamado Scott Lang (o Homem-Formiga?), que foi substituído na edição final pelo rosto de Hamill.

Esta foi a segunda aparição de Luke Skywalker no universo “Star Wars” da plataforma Disney+. Anteriormente, ele tinha sido visto no episódio final da 2ª temporada de “O Mandaloriano” (The Mandalorian). Mas a primeira versão era bem menos realista.

O problema da aparição anterior foi realçado por um YouTuber que se identifica como Shamook. Ele mostrou para a Lucasfilm que, bem mais realista e barato que gastar uma fortuna em efeitos visuais, a tecnologia acessível do deep fake seria capaz de produzir um visual mais convincente. Ele realmente convenceu. E foi contratado. E é possivelmente o responsável pela resultado superior da nova aparição do personagem.

Além dos efeitos visuais que deram ao personagem um rosto idêntico ao de Luke Skywalker no final da trilogia original, “Star Wars: O Retorno do Jedi”, exibido em 1983, a voz também chamou atenção pela semelhança com o timbre de Hamill. E ela foi igualmente criada por computador.

Um software sintetizou todos os diálogos usando falas antigas do ator em outros filmes da saga “Star Wars”.

De acordo com o showrunner Jon Favreau, a equipe de edição de som tem à disposição um vasto material de arquivo com áudios do ator, que é inserido no aplicativo de processamento de dados Respeecher para criar as frases completas do personagem.

Assim como aconteceu com “O Mandaloriano”, o processo tecnológico será revelado em detalhes numa série “Disney Gallery”, dedicada aos bastidores da produção, prevista para ser disponibilizada após a exibição do último episódio de “O Livro de Boba Fett”, que vai ao ar nesta quarta (9/12).