Divulgação/Warner Bros.

Crítica internacional rasga elogios para “Batman”

As primeiras críticas de “Batman” começaram a ser publicadas nesta segunda (28/2), iniciando uma avalanche de elogios ao filme dirigido por Matt Reeves e estrelado por Robert Pattinson.

A produção da Warner Bros. atingiu 90% de aprovação com quase 150 avaliações de publicações em inglês (dos EUA, Canadá e Reino Unido), reunidas no portal americano Rotten Tomatoes.

Para dar medida de comparação, apenas o icônico “Batman: O Cavaleiro das Trevas” teve aprovação maior: 94% em 2008. Todos os demais filmes de Batman tiveram nota menor, incluindo os dois que completam a trilogia de Christopher Nolan e os dois assinados por Tim Burton.

Os críticos da mídia geek, que escrevem em blogs dedicado ao universo dos quadrinhos, foram os mais entusiasmados. Mas os chamados críticos top se dividiram, fazendo a nota cair para 78% de aprovação quando consideradas apenas as resenhas publicadas na grande imprensa.

As críticas positivas dos principais veículos de comunicação exaltaram a excelência em todos os aspectos da produção (o jornal USA Today), “a química entre Pattinson e [Zoe] Kravitz”, a Mulher-Gato (o jornal Arizona Republic), o fato de ser tão ou mais sombrio que os filmes anteriores (o site da rede britânica BBC), sua evocação do melhor do cinema noir (o jornal britânico Daily Mirror) e sua capacidade de prender a atenção em cada minuto de suas três horas de duração (de acordo com o site The Hollywood Reporter).

A revista Variety, ainda chamou o filme de “um dos melhores do gênero” por “sua vontade de desmontar e interrogar o próprio conceito de super-heróis”. E a Screen Internacional foi ainda mais longe, ao afirmar que “Batman” tem “uma grandeza que poucos de seus contemporâneos no cinema de super-heróis podem igualar”.

Já os textos negativos se fixaram na falta de complexidade das interpretações (o jornal britânico Times), no roteiro fraco (“um amontoado de ideias ruins”, segundo o jornal San Francisco Chronicle), na longa duração (“para quê?”, questionou o New York Post) e na escuridão exagerada (“ninguém em Gotham ouviu falar em lâmpadas”, ironizou o Seattle Times, que descreveu o filme como “depressivo, sombrio e interminável”).

Um meio termo foi encontrado pelo jornal britânico The Independent: “‘Batman’ é um filme muito bom do Batman. Pensar nele como algo mais que isso só conduzirá à ilusão própria ou decepção”.

Para completar, vale destacar a crítica que deve estar agora emoldurada acima da mesa do presidente da Warner Bros. Pictures. O jornal canadense Globe and Mail simplesmente publicou: “Depois de assistir Pattinson em ação, estou conclamando a indústria de cinema a trazer todos os seus muitos Batmen, Batwomen e Batbats. Mantenha-os quentes e vindo até engasgarmos com um capuz”.

“Batman” estreia nesta quinta (3/3) no Brasil.