Divulgação/AMC

As 10 melhores séries da semana

As voltas de “The Walking Dead”, em sua reta final, e “Maravilhosa Sra. Maisel”, em sua penúltima temporada, são as séries mais esperadas da semana, que também oferece algumas novidades com potencial para se tornarem novas favoritas. Vejam “Ruptura” para confirmar.

A lista das 10 melhores estreias pode ser conferida abaixo, com mais detalhes e seus respectivos trailers.

 

THE WALKING DEAD | STAR+

A 11ª temporada, que vai encerrar a série, chega ao segundo de seus três blocos de oito capítulos centrada no encontro entre os sobreviventes de Alexandria e as tropas da nova comunidade da trama, o Império (Commonwealth, no original). Os novos episódios também apresentam uma nova personagem importante: a Governadora Pamela Milton, interpretada por Laila Robins (“The Blacklist”).

Apesar do nome Governador trazer lembranças sombrias, ela não é uma vilã típica da série. Nos quadrinhos de Robert Kirkman, Pamela e Rick até tentam se entender, como líderes de suas comunidades, apesar de pensarem diferente sobre como sobreviver ao apocalipse zumbi. Claro, Rick não está mais na série televisiva, o que pode gerar mudanças no relacionamento entre os grupos.

Os novos episódios começam a ser exibidos no domingo (20/2), simultaneamente à estreia na TV dos EUA e exclusivamente em streaming.

 

MARAVILHOSA SRA. MAISEL | AMAZON PRIME VIDEO

Estrelada por Rachel Brosnahan no papel-título, “Maravilhosa Sra. Maisel” conta a história de uma dona de casa de classe alta da Nova York do final dos anos 1950 que, após o divórcio e uma crise existencial, decide seguir carreira na então emergente cena de comédia stand-up na cidade. Na 4ª temporada, ela decide não se autocensurar mais, rendendo apresentações mais ousadas e feministas.

Antes do estouro da atração, a criadora da série, Amy Sherman-Palladino, era mais conhecida por ter criado “Gilmore Girls”, um fenômeno de popularidade do começo dos anos 2000, estrelado por Lauren Graham e Alexis Bledel, que, entretanto, nunca foi reconhecido com prêmios. Um contraste com a série “Maravilhosa”, vencedora de 20 Emmys, incluindo Melhor Série de Comédia, além de seis Critics Choice Awards, três Globos de Ouros, cinco SAG Awards, dois PGA Awards, um WGA Award e um Peabody Award.

 

RUPTURA | APPLE TV+

Escrita pelo estreante Dan Erickson e dirigida por Ben Stiller (“Zoolander”), a série é uma comédia de ambiente de trabalho com um perturbador ingrediente sci-fi, digno de “Black Mirror”.

A trama se passa dentro das Indústrias Lumen, uma empresa que pretende levar a vida pessoal e profissional de seus funcionários a um novo nível, graças a um procedimento que permite literalmente separar suas vidas pessoais e profissionais. Uma vez submetidos ao experimento, quando estiverem em casa os funcionários não lembrarão nada do trabalho, e o inverso vale para quando estiverem em seus empregos. Isto também evita que comentem sobre o que realmente fazem para as Indústrias Lumen.

O elenco destaca Adam Scott (“Parks and Recreation”), Patricia Arquette (“CSI: Cyber”), John Turturro (“Transformers”) e Christopher Walken (“Sete Psicopatas e um Shih Tzu”).

 

O JOVEM WALLANDER: A SOMBRA DO ASSASSINO | NETFLIX

A 2ª temporada de “O Jovem Wallander” ganhou subtítulo e um novo enredo, que acompanha o personagem dos best-sellers de Henning Mankell de volta ao trabalho de detetive na polícia sueca. Ao ser encarregado da investigação de um atropelamento banal, ele acaba encontrando uma ligação com um assassinato famoso. Logo, percebe que há mais coisas no caso do que a situação demonstra e precisa decidir se segue sua determinação de buscar a verdade, mesmo correndo o risco de a investigação conduzi-lo a pessoas que podem matar sua carreira em um instante.

Vale lembrar que a primeira adaptação de “Wallander” estreou em 2005 na Suécia e sua versão mais famosa foi estrelada por Kenneth Brannagh (“Morte no Nilo”) de 2008 a 2016 na rede britânica BBC. A nova versão foi desenvolvida por Ben Harris (“Devils”) e reimagina o experiente detetive literário como um jovem no início da carreira, com interpretação de Adam Pålsson. O detalhe é que a produção não é um prólogo, mas um reboot passado na Suécia contemporânea.

 

UM DE NÓS ESTÁ MENTINDO | NETFLIX

A primeira produção em inglês do criador de “Elite”, Darío Madrona, adapta o best-seller homônimo de Karen M. McManus sobre um grupo de estudantes suspeitos de homicídio. O suspense começa com cinco estudantes passando juntos uma tarde de detenção em sua escola – como no clássico “O Clube dos Cinco” (1985). No entanto, no fim do dia, um deles está morto e os investigadores policiais acreditam que a morte não foi acidental.

Além do elenco de jovens atores americanos, a produção ainda inclui a atriz Jennifer Morrison (“Once Upon A Time”) como diretora de episódios e já se encontra renovada para a 2ª temporada – baseada no segundo livro da franquia, “Um de Nós É o Próximo”.

 

SPACE FORCE | NETFLIX

Concebida pelo ator Steve Carell e Greg Daniels, que trabalharam juntos em “The Office”, a série foi inspirada num projeto alucinado de Donald Trump, que resolveu criar a Força Espacial dos EUA – uma nova força armada, ao lado do Exército, Marinha e Aeronáutica.

Na trama, Carell vive o general encarregado de formar a tal Força Espacial, que não sabe por onde começar. Por isso se une – muito a contragosto – a um excêntrico cientista e uma equipe sem noção. Só que seu humor não decolou, implodindo com apenas 39% de aprovação. Razão pela qual a 2ª temporada é encarada como um reboot, sob supervisão de um novo showrunner, Norm Hiscock (de “Brooklyn Nine-Nine” e “Parks and Recreation”).

O grande elenco também destaca John Malkovich (“The New Pope”), Lisa Kudrow (“Friends”), Diana Silvers (“Fora de Série”), Noah Emmerich (“The Americans”), Ben Schwartz (“Parks and Recreation”), Tawny Newsome (“Brockmire”), Alex Sparrow (“UnREAL”), Jimmy O. Yang (“Silicon Valley”) e Jane Lynch (“Glee”).

 

LOV3 | AMAZON PRIME VIDEO

Voltada ao público adulto, a nova série criada por Felipe Braga (criador “Samantha!”) acompanha três irmãos, que moram em São Paulo e se recusam a experimentar amor e sexo da mesma maneira que seus pais. Ana, a mais velha, tem 33 anos e resolve reatar com o ex-marido, sem, contudo, abrir mão de ficar com quem quiser. Sofia tem 24 anos, acabou de ser demitida do milésimo emprego e precisa dividir o teto com um trisal que não a reconhece como parte da relação. E Beto é um jovem gay que só sente atração por homens heteros que o dispensam, o que afeta sua autoestima.

O elenco destaca Bella Camero (“Marighella”), Elen Clarice (“Sob Pressão”) e João Oliveira (“Deus Salve o Rei”) como os irmãos protagonistas.

Produzidos pela LB Entertainment, os episódios tem direção de Mariana Youssef (“As Seguidoras”) e Gustavo Bonafé (“Insânia”).

 

CUPHEAD – A SÉRIE | NETFLIX

A adaptação do game “Cuphead”, notoriamente difícil, acompanha dois copos antropomorfizados (Cuphead e Mugman) que tentam pagar uma dívida para o diabo e reconquistar suas almas.

O visual da série, assim como o jogo, é inspirado em animações dos anos 1930, principalmente desenhos clássicos de Rudolf Ising e Max Fleischer, que incorporavam elementos de terror e musicais às histórias.

A 1ª temporada de 11 episódios tem produção do Studio MDHR, responsável pelo game, e os desenvolvedores da atração são os irmãos Chad e Jared Moldenhauer, os criadores do jogo.

 

BLEACH | HBO MAX

Um dos animes mais bem-sucedidos e cultuados deste século no Japão, “Bleach” acompanha Ichigo Kurosaki, um estudante de 15 anos que desde criança se sentia amaldiçoado por poder ver fantasmas. Graças a essa capacidade, ele descobre a existência de uma ceifadora de almas chamada Rukia Kuchiki, que integra uma complexa sociedade de shinigamis (guardiões de almas) responsável por impedir o ataque de criaturas das trevas à Terra. Entretanto, numa luta mortal com um desses seres (hollows), a ceifadora acaba ferida e precisa deixar o único garoto capaz de vê-la como responsável pelas almas humanas. E este é só começo da história, que leva Ichigo a descobrir um complexo mundo sobrenatural que sequer imaginava existir.

A série é baseada num mangá escrito e desenhado por Tite Kubo, que é publicado no Japão desde 2001. Assim como os quadrinhos, a adaptação se tornou bastante ambiciosa com o passar do tempo, expandindo seu universo para outros planos de existência e incluindo centenas de personagens, entre eles mais de uma dezena de ceifadores da Sociedade das Almas – os mocinhos da trama, que surgem inicialmente como antagonistas.

A HBO Max disponibilizou as duas primeiras temporadas, produzidas em 2004 e 2005, mas a série dura ao todo 16 temporadas (a última é de 2012) e vai ser retomada em 2022 com um especial. Apesar de longa, é completamente viciante.

 

JEEN-YUHS: A KANYE TRILOGY | NETFLIX

A chamada “trilogia de Kanye” é, na verdade, uma minissérie de três capítulos, que terá uma estratégia de divulgação diferenciada (para a Netflix, mas não para qualquer outro canal), com o lançamento de um episódio por semana durante três quartas consecutivas – o primeiro foi disponibilizado no dia 16.

O documentário em três partes narra a trajetória de Kanye West desde antes da fama. A produção condensa mais de duas décadas de imagens nunca antes vistas, cobrindo a carreira do rapper desde que ele surgiu na cena hip-hop de Chicago nos anos 1990 até sua candidatura presidencial fracassada em 2020, passando pela morte de sua mãe e seu casamento com Kim Kardashian, que acabou recentemente em divórcio.

A direção está a cargo da dupla Clarence “Coodie” Simmons e Chike Ozah, mais conhecida como Coodie & Chike, que dirigiu e produziu vários clipes de Kanye, como “Jesus Walks (Version 3)” e “Through the Wire”. A dupla também produziu e dirigiu os documentários “Benji” (2012) e “A Kid From Coney Island” (2019) sobre antigos astros de basquete, além de clipes para Lupe Fiasco, Erykah Badu e outros. E sem maiores planejamentos, vinha filmando bastidores de shows e gravações, e momentos íntimos de Kanye há mais de 20 anos.

No entanto, o controle criativo do projeto está totalmente nas mãos do rapper, famoso por centralizar as decisões de sua carreira e também por ser uma das pessoas mais difíceis de lidar na indústria musical americana, graças a surtos causados por transtorno bipolar e a convicção inabalável de que é mesmo o maior gênio da raça (ou “jeen-yuhs”).