Divulgação/Sony Pictures

Astros “secretos” ajudaram a escrever roteiro do novo Homem-Aranha

O texto a seguir traz os maiores spoilers de “Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa”.

Quem viu o filme confirmou que os boatos da participação de Tobey Maguire, que viveu o Homem-Aranha entre 2002 e 2007, e Andrew Garfield, que o sucedeu entre 2012 e 2014, eram verdade. Eles se juntaram para ajudar a nova versão do herói, vivida por Tom Holland.

Mas a participação dos dois atores não ficou restrita ao tempo de tela. Em entrevista ao site da revista The Hollywood Reporter, os roteiristas do longa, Chris McKenna e Erik Sommers, revelaram que eles contribuíram com a história, indicando a melhor forma de serem retratados em seus retornos à franquia.

“Eles tiveram ideias ótimas que elevaram bastante o que nós queríamos fazer e adicionaram camadas e arcos que reforçavam a noção de que [essas duas versões] estavam ajudando o Peter de Tom”, disse McKenna. “Eles o ajudam a passar por um momento crucial no clímax do filme. Muito disso foi trazido pelas ideias de Tobey e Andrew e o que eles acreditavam que seus personagens poderiam trazer para o filme”.

Segundo o roteirista, Maguire queria que os detalhes sobre a vida de seu Peter Parker fossem “muito mínimos”, enquanto Garfield “adorou a ideia de ainda ser assombrado pelo que aconteceu em ‘O Espetacular Homem-Aranha 2’” – isto é, a morte de Gwen Stacy (Emma Stone). “Eles estão enfrentando seus próprios problemas. Tentamos escrever para os personagens que eles fizeram um ótimo trabalho criando”.

McKenna ainda comentou a ausência de um Tio Ben na trilogia comandada por Jon Watts, uma crítica que costumava ser feita à versão do personagem vivida por Tom Holland. Segundo o roteirista, a tragédia do final de “Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa” foi concebida desde o começo da trilogia para ser o novo elemento transformador do herói.

“Acho que as pessoas podem tirar o que quiserem [da trama], mas estávamos trabalhando nisso à medida que avançamos na história que criamos para ele”, afirmou o escritor.

Atualmente em cartaz nos cinemas, o filme já faturou US$ 1,1 bilhão em todo o mundo e bateu vários recordes, tornando-se a maior bilheteria da pandemia e da Sony Pictures em todos os tempos.