Facebook/Carole Baskin

Carole Baskin não consegue impedir estreia de “A Máfia dos Tigres 2”

A Netflix não teve que se preocupar com a tentativa de Carole Baskin de impedir o lançamento de “A Máfia dos Tigres 2” em 17 de novembro. Uma juiz federal na Flórida negou ao casal a ordem de restrição temporária que eles buscavam por uso de supostas gravações “não autorizadas” na atração.

“Embora o Tribunal compreenda a frustração dos Baskins, não parece que a inclusão das imagens causará qualquer dano imediato que não possa ser compensado por indenização monetária”, disse a juíza Virginia M. Hernandez Covington em sua decisão, deixando aberta a possibilidade de um processo após a exibição da série.

O casal processou a plataforma de streaming, alegando não ter assinado autorização para uso de suas imagens na sequência de “A Máfia dos Tigres”. Mas a Netflix afirma que não há razão para discutir isso na Justiça, já que o contrato original previa “explicitamente” a reutilização das gravações feitas para a série original “em projetos futuros”.

“Não havia a necessidade da Netflix obter uma nova assinatura do casal para usar suas imagens em ‘A Máfia dos Tigres 2’ ou em qualquer material promocional. Não há nada nos contratos que proíba qualquer uso do material. Desta forma, os acusadores não tem nenhum mérito em seu processo, que fere os princípios constitucionais”, disseram os advogados da plataforma, aludindo à liberdade de expressão e imprensa.

Os Baskin relatam ter recebido ameaças de morte e mensagens ofensivas após o lançamento da 1ª temporada de “A Máfia dos Tigres”, e por isso buscam bloquear o lançamento dos novos episódios na Netflix, que, segundo sua ação, causariam “dano irreparável” à reputação de ambos.

Tudo o que conseguiram foi chamar ainda mais atenção para o programa, que será lançado na próxima semana em streaming.