Divulgação/Netflix

Documentário vai investigar se filho de Angelina Jolie foi roubado

Um documentário em desenvolvimento sobre adoções de crianças no Camboja irá investigar se Maddox, filho de Angelina ​Jolie e Brad Pitt, atualmente com 19 anos, foi roubado de sua família biológica.

Intitulado “The Stolen Children” (as crianças roubadas, em tradução literal), o filme é realizado pela estudante de cinema Elizabeth Jacob, de apenas 21 anos. A produção começou como projeto universitário em 2020, levantou fundos via financiamento coletivo e acabou ganhando apoio da Film Independent, organização por trás do prêmio Spirit Awards para o cinema independente.

A motivação de sua jovem diretora é descobrir as circunstâncias de sua própria adoção no Camboja. Seus pais adotivos recorreram à americana Lauryn Galindo, a mesma agente que intermediou a adoção de Maddox e de outras centenas de crianças do país.

Entre 1997 e o começo dos anos 2000, metade das adoções do Camboja para os Estados Unidos (800 entre 1.600) passaram pela agência Seattle International Adoptions, que pertencia a Galindo e sua irmã, Lynn Devin.

Maddox foi adotado por Jolie em 2002 e depois por Pitt, em 2006, quando os dois atores oficializaram seu relacionamento.

Mas um ano após a adoção do menino, as duas foram acusadas de falsificar documentos para a obtenção de vistos americanos para as crianças. Em 2004, Galindo foi condenada a 18 meses de prisão por esse crime e por lavagem de dinheiro.

Ela nega que tenha comedido qualquer irregularidade, afirmando que já houve uma série de investigações sobre a adoção de Maddox e que ele não foi roubado de seus pais biológicos.

“Eu não tenho nenhuma razão para acreditar que haja algo sobre Maddox. Eles foram muito cuidadosos, especialmente considerando sua mãe famosa”, disse Galindo ao jornal britânico The Sun. “Eu acho que isso foi duplamente checado, e sei que Angelina não estava no país durante essas investigações, porque estava fazendo o filme ‘Amor Sem Fronteiras’ na Namíbia. Portanto, não houve interferência da mãe adotiva, e nem eu estava envolvida nas investigações de qualquer forma.”

Galindo também disse que a cineasta Elizabeth Jacob não a contatou para a produção do documentário, mas que ela ficaria feliz em poder responder perguntas sobre seu passado.

Após conseguir financiamento para seu filme, Jacob deve viajar ao Camboja no fim deste ano.

“O principal motivo de fazer o documentário é que, sem dúvida, Galindo estava envolvida nisso, mas por que fui encaminhada para adoção?”, afirmou a jovem ao The Sun. “Eu lembro de ter me interessado quando criança pela adoção feita por Angelina Jolie. Se eu nunca tivesse a oportunidade de fazer esse documentário, eu nunca teria olhado para os meus documentos. Eu nunca falaria sobre o escândalo por trás disso.”

Veja abaixo o vídeo realizado por Jacob em 2020 para buscar apoio para seu projeto.