Divulgação/The CW

Série live-action de “As Meninas Superpoderosas” é rejeitada

A rede The CW rejeitou o piloto de “Powerpuff”, a série live-action de “As Meninas Superpoderosas”. Mas ao mesmo tempo não desistiu da atração.

A emissora optou por manter a equipe sob contrato, inclusive o elenco, para que o projeto seja repensado e ganhe uma nova oportunidade de ser apresentado aos executivos da emissora, com a possibilidade de conseguir uma vaga na próxima temporada da programação.

Antes da decisão, Channing Dungey, presidente do canal, elogiou a escolha do elenco e a abordagem do programa: “Temos um trio incrível de atrizes principais. Não vou dizer que não tem sido desafiador. É uma linha tênue para se caminhar, o processo de trazer um desenho infantil para a vida adulta e em live-action, mas sinto que estamos fazendo um bom trabalho”, afirmou.

Entretanto, quando fotos e vídeos das gravações do piloto vazaram, o público rejeitou com veemência o visual escolhido para a produção.

Concebida pelas roteiristas Diablo Cody (vencedora do Oscar por “Juno” e autora da vindoura cinebiografia de Madonna) e Heather V. Regnier (“Veronica Mars”, “Sleepy Hollow”) em parceria com o megaprodutor Greg Berlanti (criador do Arroverso), a versão live-action trazia as Meninas Superpoderosas como jovens de mais de 20 anos de idade, cheias de traumas e ressentimentos por terem perdido a infância para combater o crime. Entretanto, eles precisam superar seus problemas para voltar a se juntar, porque um novo perigo ameaça o mundo.

O trio de heroínas do piloto foi interpretado por Chloe Bennet (“Agents of SHIELD”), Dove Cameron (“Descendentes”) e a estreante Yana Perrault (do musical da Broadway “Jagged Little Pill”), respectivamente como Florzinha, Lindinha e Docinho.

Além delas, Donald Faison (“Scrubs”) foi escalado como o Professor Utônio e Nicholas Podany (“Hart of Dixie”) como Joseph “Jojo” Mondel Jr., o filho do Macaco Louco (em inglês Mojo Jojo), que era o grande vilão da animação do Cartoon Network.