Divulgação/Netflix

365 Dias: Polêmico filme erótico da Netflix terá duas sequências

O polêmico hit da Netflix “365 Dias” vai ganhar não uma, mas duas sequências. O site Deadline apurou que os produtores estão filmando as partes 2 e 3 ao mesmo tempo. Com isso, o “Cinquenta Tons de Cinza” polonês também completará uma trilogia de filmes como sua inspiração original.

“365 Dias” se tornou um grande sucesso em streaming por suas cenas de alta temperatura sexual. Mas o softcore da Netflix também foi considerado um lixo por glamourizar o abuso sexual.

Embora as redes sociais tenham recomendado com elogios, o filme conseguiu a façanha de atingir a impressionante aprovação de 0% (zero!) no Rotten Tomatoes. Para completar, ainda foi indicado a várias categorias do Framboesa de Ouro, o prêmio para as piores obras do ano, e venceu a estatueta de Pior Roteiro.

As similaridades com “Cinquenta Tons de Cinza” incluem o tom sadomasoquista, excesso de cenas eróticas e até a inclusão de um baile de máscaras. Mas tem um detalhe que torna todos os closes descamisados do protagonista repulsivos: o relacionamento do casal central não é consentido. “365 Dias” mostra como um homem rapta e mantém uma mulher em cativeiro pelo tempo de seu título, como o objetivo de forçá-la a se apaixonar por ele.

A cantora Duffy, que sofreu situação parecida, chegou a escrever uma carta para a Netflix pedindo que o filme fosse retirado do streaming. Não só não foi ouvida como a plataforma fará mais filmes para mostrar um pouco mais do romance entre abusador e vítima.

Os atores principais do primeiro filme, Michele Morrone e Anna-Maria Sieklucka, voltarão para as continuações, que ainda contarão com o modelo e sex symbol italiano Simone Susinna como principal novidade do elenco.

Na trama, Laura (Sieklucka) e Massimo (Morrone) voltarão a se encontrar, mas como em qualquer melodrama, o revival é complicado por problemas familiares dele e pela chegada de um novo homem na vida dela.

As continuações serão baseadas na trilogia de livros escrita por Blanka Lipinska, que novamente se juntará aos diretores originais, Barbara Bialowas e Tomasz Mandes, para escrever as adaptações – não está claro se a meta é triplicar as Framboesas de Ouro.